Guia prático em linguagem simples.

Guia prático em linguagem simples.
Baixe Para o seu computador AGORA.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

SEEDUC X SEPE-RJ - Lançamento de notas no sitema é atribuição do professor?

Um comunicado na página do Sindicato dos professores do RJ - SEPE - instrui os professores do estado do RJ a não lançarem as  notas.

O sindicato argumenta que isso não faz parte das atribuições do cargo do professor, e esse serviço deveria ser executado pelos profissionais que trabalham na secretaria da  escola. O SEPE terá uma audiência com  o SEEDUC no dia 17 de  maio, para que tentem chegar a um acordo sobre essa situação.

Fora o que é colocado pelo sindicato, há os professores novos no estado, que sequer possuem o e-mail funcional, por isso não têm condições técnicas para entrar no sistema. Como ficaria o lançamento  das notas das turmas desses professores? Quem ficaria responsável?

Veja abaixo o comunicado que está no site do sindicato, e deixe sua opinião a respeito desse assunto. Você já conseguiu acessar o seu e-mail funcional? Lançará as  notas no sitema? Concorda ou não com os argumentos do sindicato?

Professores da rede estadual devem se recusar a realizar tarefas que não tenham a ver com o trabalho docente

Sobre as notas na conexão professor

Diante da exigência da SEEDUC de que os professores lancem as notas via internet e por falta de orientações claras sobre a realização da tarefa, divresas direções de escola estão exigindo que professores utilizem lan house , caso haja algum problema com o laptop ou a conexão, e que utilizem seu horário de recreio, de almoço, de planejamento ou fim de semana para isso.

A falta de concurso para funcionários administrativos, que prejudica o trabalho das secretarias das escolas, fica evidente nesse momento. A tarefa de lançamento de notas no sistema pertence às secretarias e, já que não há pessoal suficiente, a SEEDUC repassa o trabalho para os professores.

Além de não ser parte do trabalho do professor o lançamento das notas no sistema e sim da secretaria da escola, a sobrecarga de trabalho fica evidente. A utilização do horário livre é trabalho não remunerado e o horário de planejamento já não é suficiente para as atuais tarefas, que consistem em preparar aulas, corrigir exercícios e provas e preenchimento de fichas e diários .A utiliização do horário de aulas seria um prejuízo ainda maior para os alunos que já amargam a falta de professores , funcionários e condições precarias das escolas.

O SEPE/RJ orienta os profissionais da educação a não utilizarem os horários livres , de planejamento ou de aulas para tal tarefa.

A SEEDUC deve definir o horário a ser utilizado para tal tarefa, ou se pagará hora-extra.

Segunda -feira, dia 17 de maio, teremos audiência com a SEEDUC e colocaremos a questão.
Fonte da informação: SEPE/RJ

27 Comentários:

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o SEPE!Parabéns!Vamos a luta!

Anônimo disse...

é muito difícil mesmo, pois só recebemos mais e mais tarefas a cada dia. Nós, professores novos não podemos nem mesmo fazer chamada, pois nossa matrícula não entra no sistema. quanto mais lançar notas pelo email q também não conseguimos saber qual é...aff!

Mayra disse...

Não sabia desse absurdo que eles mandam usar o tempo livre do fds e gastar dinheiro com lan house! Isso não é inconstitucional?

Mayra disse...

Já estou no Estado a 1 ano, tbm não tenho email e muito menos laptop! O sindicato está certo ao dizer que isso não é atribuição do professor. Temos computadores desligados na sala de aula, pelo menos poderiam ser usados pra isso no momento da aula. Mas ao invés disso ainda temos que fazer os diários a mão!

Anônimo disse...

Concordo. Digo que o dever de digitação das notas é dos contratados que recebem seus salários para trabalhar nas UAs em serviços de digitação. Ademais os profissionais de educação, quando submetidos aos concursos, não passam por nenhuma avaliação de informática e, por isto NÃO TÊM O DEVER DE SEQUER SABER LIGAR UM COMPUTADOR, quanto mais fazer trabalhos NÃO INERENTES A SUA FUNÇÃO.

cris disse...

não devemos digitar essas notas mesmo, a seeduc ignora nossa força política e menospreza nossa inteligência.Breve nosso cargo ganhará reforço da palavra bombril, pois quando começarmos a acumular funções, nós e os demais profissionais da educação iremos ser coordenadores, merendeiras, vigias, auxiliar de serviços gerais...opa, isso já ocorre em muitas escolas.Está na hora de exigir um Secretário de Educação que saiba o que é uma escola, que tem enfretado nossas dificuldades e que tenha sorrido com nossas vitórias diárias.Eles não cumprem com suas obrigações como a da lei 2357 que exige a permanência dos alunos na escola e agora ficam criando conflitos entre prof. e direção. O ideal é enviarmos e-mail para a seeduc, deputados,mp...ñ da p ficar calado com esse absurdo.

Anônimo disse...

A gente quase não faz nada mesmo e ainda somos muito bem remunerados pra isso!!! Sem contar q trabalhamos em uma única escola e temos muito tempo para entrarmos na internet para lançar nota...tem q colocar no edital dos concursos para o magistério essa nova atribuição do professor... QUEM FOI QUE INVENTOU ISSO, FAÇA-ME O FAVOR!!!!

Anônimo disse...

Acredito que todos os professores se encontram com pouco tempo livre para mais uma tarefa. Concordo plenamente.

Anônimo disse...

Tenho o laptop, mas não sei bem como usá-lo. Na escola tem sala de informática, mas não há um professor lá para ajudar. Na escola onde trabalho tem sala de leitura, mas não tem professor lá também... Temos datashow, nome bonito, mas que a maioria não sabe operacionar, temos microfones, muitos computadores dentro das caixas, temos também uma rede elétrica velha ddeeemmmaaisssss..... Enfim, está tudo bem mal organizado. Agora, como alguém precisa lançar as notas, que sejam os professores, que não fazem nada mais de suas vidas, que não têm filhos, marido, outros empregos, para fazerem essa bobeira, no mais, o que agente faz entre meia-noite e seis horas da manhã? Dá para encontrar a internet livrinha livrinha nesse horário.... Desculpem-me o sarcasmo, sou professora de coração, gosto realmente do meu ofício, mas de computador sou bem fraquinha... Estou tentando ser eficiente, peço ajuda, mas esse não é o meu ofício... Alguém precisa compreender que professor é professor e não pai, assistente social, psicólogo... Podemos ter uma profissão onde o lado social é importantíssimo, mas até mesmo os médicos fazem especializações para que nenhum entre na área do outro... Sou professora e não gostaria de ser também digitadora... SEPE ajude-nos!!!

Anônimo disse...

É lamentável mais essa atribuição para o professor, além de preencher o diário, tem de fazer serviço de secretaria e quando sobrar um tempinho quem sabe, possamos voltar como antigamente a ser professores.

Anônimo disse...

É realmente lamentável isso! um absurdo ter que fazer uma tarefa que não é atribuição do professor!!

Anônimo disse...

Sou nova no estado,consegui acessar meu e-mail institucional,mas ele não funciona.Não tenho como lançar as notas no sistema.Como fica isso?Também não concordo com mais essa atribuição,porém temos de nos unir ou vamos acabar recebendo mais e mais tarefas do pessoal das secretarias das escolas.

Anônimo disse...

Gente,
Pelo que entendo todo professor e qualquer lugar do mundo lança nota. Inclusive parte de nossa carga horária é para isso. Essa atitude do sindicado é lamentável. Vamos evoluir !!!

Cristina disse...

Só complementando o comentário acima: é atribuição em qualquer lugar, só que aqui somos cobrados para duplicar um serviço que já foi feito, já foram entregues as notas do primeiro bimestre às secretarias antes dessa determinaçaõ. A SEEEDUC falhou feio por não ter ṕlanejado e preparado o sistema a tempo. Professor já tem muito o que fazer para repetir todo um processo, e o que é pior, não dá para copiar e colar de nossas tabelas porque não batem com as listagens do sistema.Tem que digitar nota por nota. Eu, por exemplo, tenho 12 turmas de mais de 4o alunos, façam as contas, é nota demais!!

professor Gegê disse...

Gente, mais grave do que lançar notas é o tal do computador em sala para marcar início e fim de cada tempo de aula, atrasos, etc. É o fim do mundo, proletarização total do professor. Temos que lutar contra isso. Abraços.

Anônimo disse...

Lançar as notas não seria problema caso o sistema não fosse tão lento. Toda hora está em manutenção, não aceita salvar depois de tudo lançado, voltando a tela inicial.Não posso ficar parada o tempo todo na frente do computador(na hora do almoço, no recreio, depois das onze horas, não podendo descansar),tenho muito o que fazer:ler,preparar aulas,preencher diário, corrigir trabalhos,dar aulas,cuidar da minha família e da saúde. Portanto, precisamos de soluções. Quem sabe capacitar funcionários para ajudar na secretaria, para que faça esse serviço pois o salário que recebem é para realizar esse serviço, não é nossa obrigação!

Maurício Rio disse...

Não lanço as notas só se me pagarem pelo trabalho. Basta de exploração. Já faz parte da história dos governos estaduais do Rio, o descaso com a educação e contam com o conflito entre professores e alunos. Gerados por desânimo, greves,... Um salário que descontado a passagem e a alimentação para simplesmente chegar à escola não sobra nem para comprar um bom livro! Alunos do PEJA que chegam e se matriculam nas turmas regulares do ensino médio em julho, agosto e até no mês de setembro. Sábados letivos! Três dias por semana obrigatória em algumas escolas com a desculpa de "compor o horário", um dia a mais é terrível para uma categoria que precisa trabalhar para ganhar dinheiro honestamente! Eu já não voto! Eu troco! Prá ver se os políticos que estão no poder sintam um mínimo de reação do eleitorado.

Anônimo disse...

Concordo plenamente, estamos ficando sobrecarregados de tanto trabalho, planejar aulas, tomar conta de sala de aula lotadas, fazer diários a mão, fazer fitilhos e ainda lançar notas no leptop. Já basta de tanta exploração. Vamos lutar para mudar isto !!!!!

Anônimo disse...

O estado pecou mais uma vez... cometeu um erro primario... Informatizou e esqueceu de preparar para essa informatização. A dificuldade em trabalhar com computadores é clara e evidente. O Brasil não chegou ainda ao patamar sonhado... Somos despreparados tecnologicamente... Deviam pensar nissso. " Primeiro arra-se a mesa para depois sentar-se e almoçar" não da pra comer com as mão... è a atidude do estado. POR Favor usem a cabeça antes de tomar decisões alienadas. Nos trabalhadores agradeceremos, se cairem na real. E concordo ... lançar notas não é nossa tarefa.

Anônimo disse...

é um absurdo o que o estado está fazendo, jogando toda a carga p cima do professor, nós já não temos final de semana... e agora, as notas...e o note book que não chegou???

Anônimo disse...

É um abuso o que estão fazendo, e como sempre o nosso sindicato brinca de fazer justiça. Amigos professores, se tivéssemos um sindicato confiável, poderíamos até acreditar, mais não é o nosso caso. Vejam na última manifestação, nem a mídia estava lá, apenas os poucos guerreiros que arriscam o seu salário e a vergonha dos representantes do Sepe.

Anônimo disse...

Companheiros de jornada, não só vieram os abusos de poder da nossa secretaria de educação, mas também, a gratificação dos diretores. E os nossos 26%, infelizmente estão nas mãos do nosso secretário de educação, do nosso ilustre governador e o píor de tudo do nosso sindicato.

Anônimo disse...

Será que os nossos governantes sobrevivem com os nossos míseros setecentos reais? Não, mais é uma pena que a nossa classe vive e aceita essa esmola. Professores, não permitam que façam da nossa profissão , uma volta ao indígno trabalho escravo. Temos que lutar, nem que seja para retirarmos as nossas pedras dos nossos caminhos.Trabalhamos, somos educadores, acordamos cedo todos os dias, pulamos que nem pipoca para podermos nos sustentarmos, darmos melhores condições para os nossos filhos. Mais será que o nosso ilustre governador da estado acorda cedo e tem a preocupação de pagar as suas contas no final do mês? Claro que não amigos. Qual será o problema pessoal dele para conosco, somos tratados como vagabundos e provavelmente sem razão de ser.Espero muito que reflitam sobre tudo isso, não devemos nos calar, pois é isso que ela pensa de nós; mudos.

Anônimo disse...

caro colega acima, você tem toda razão. Na minha escola o diretor vai ganhar além do seu salário uma gratificação de 2.300,00. Será que isso não foi feito estrategicamente para conter os colegas a não se manifestarem contra a divulgagação das notas pela internet. Creio que sim, mas infelizmente a nossa classe não é unida. Os professores do município de Caxias estão parados a vários dias, pedindo um aumento de 75% nos salários, e olha que a esmola deles não é de setecentos reais. Mas eles estão certos, nós é que somos covardes e abaixamos as nossas cabeças para um governador tirano e mentiroso, pois as suas propostas políticas, não foram essas.Espero que outros colegas reflitam como nós e partirmos para uma ação defensiva.

bernadete paes pessanha disse...

colegas concordo tanto com relação a questão do lançamento das notas,como a falta de uma melhora no salário dos professores.o nosso governador e o secretário cria um plano de educação q nada mais q a nova escola mascarada,e p esse ir a frente ele aumenta a gratificação de diretor.A desculpa da falta de aumento vai ser que nós professores somos os maiores responsáveis pelo baixo desempenho da escola.precisamos reagir.bernadete.

Elaine disse...

Colegas de "escravidão", o governo faz o que quer, abusa da nossa clase, não sabe o que passamos em sala de aula, a culpa é sempre do professor.O senhor de escravos, Sérgio Cabral, dá aos seus feitores, os diretores gerais, um "agradinho",para que estes, esquecidos de sua verdadeira função, professores, nos exijam tarefas absurdas, que não nos compete. Mas, caros colegas, não podemos esquecer que essa situação chegou a esse ponto porque fomos permissivos, o que mais ouço é "não adianta parar", "eu não quero atrapalhar minha licença", coisas desse tipo. Devemos nos impor, parar o tempo que for necessário, mostrar ao Estado do Rio de Janeiro a nossa real situação.
Como a colega Bernadete disse, VAMOS REAGIR!!!!
Elaine

Anônimo disse...

Pois é, nossas atribuições só aumentam!!!! Concordo digitar as notas, se os diários desaparecessem. De repente poderia ter uma opção do professor: diário ou digitação de notas.

Para digitar notas não é necessário o e-mail funcional. Basta número de matrícula e CPF. Eu nunca consegui acessar meu e-mail funcional. No início ficava estressada agora "Tô nem aí"!!!!

Postar um comentário

- Não temos qualquer vínculo com nenhuma instituição pública ou privada. Este é um espaço pessoal e informal para troca de informações entre pessoas interessadas no setor de Educação.

- Os comentários são liberados aos leitores que por aqui passam, não refletindo, necessariamente, a opinião do responsável pela manutenção do Blog.

- Lembrem-se também que o Blog é aberto ao público. Ao deixar endereço de e-mail, telefone ou qualquer dado pessoal aqui, esses dados poderão ser vistos por qualquer pessoa.Portanto, tenha cuidado com as informações pessoais que deixa em seu comentário.

Blog Widget by LinkWithin

Programas úteis, baixe aqui!

Para ler a maioria dos editais e o Diário Oficial, é necessário ter o programa Adobe Reader instalado (programa leitor dearquivos em PDF), que é o formato em que estão vários documentos. Caso queira baixar o Adobe, que é um programa gratuito, pegue AQUI.

Foram eles que disseram...

O segredo da criatividade é saber como esconder as fontes. Albert Einstein
Não quero que as pessoas sejam muito gentis; pois tal poupa-me o trabalho de gostar muito delas. Jane Austen
"A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre" Oscar Wilde

Se sua dúvida não for esclarecida aqui não deixe de enviar a sua própria pergunta, ou mesmo tentar responder a pergunta de algum colega.

Enviar pergunta

Blogosfera

Add to Technorati FavoritesComentar/adicionar no Comentarium Adicionar esta notícia no BookmarksAdicionar esta notícia no Linkk Central Blogs TopOfBlogs

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO