29/11/2010

Gabarito Concurso de Mesquita 2010 - Saiu na Folha Dirigida.

O gabarito da prova ocorrida em 28/11/2010 foi publicado hoje (29/11) pela Folha Dirigida. O Gabarito ainda não aparece na página da  CEPERJ, mas deve ser divulgado lá amanhã (30/11).

O prazo para a interposição de  recursos é até esta sexta-feira, dia 3 de dezembro de 2010. É necessário  preencher o formulário, disponível no site da fundação CEPERJ, e entregá-lo na sede da organizadora, das 10 às 16 horas, ou nos postos de inscrição, em Mesquita. O requerimento deve ser redigido em formulário próprio, por questão, com indicação precisa daquilo em o candidatos que se julga prejudicado, e devidamente fundamentado.


A publicação dos resultados da análise dos recursos e preliminar da prova objetiva está prevista para o dia 14 de dezembro.
CIÊNCIAS
01 – C 11 – D 21 – C 31 – C 41 – C
02 – C 12 – B 22 – E 32 – B 42 – E
03 – D 13 – A 23 – C 33 – A 43 – E
04 – A 14 – B 24 – A 34 – B 44 – D
05 – D 15 – A 25 – B 35 – C 45 – D
06 – B 16 – E 26 – D 36 – E 46 – D
07 – D 17 – C 27 – E 37 – C 47 – A
08 – B 18 – C 28 – A 38 – A 48 – E
09 – E 19 – E 29 – C 39 – C 49 – B
10 – B 20 – A 30 – D 40 – E 50 – A

EDUCAÇÃO ARTÍSTICA – MÚSICA
01 – C 11 – D 21 – C 31 – B 41 – B
02 – C 12 – B 22 – E 32 – D 42 – D
03 – D 13 – A 23 – C 33 – C 43 – C
04 – A 14 – B 24 – A 34 – A 44 – A
05 – D 15 – A 25 – B 35 – E 45 – E
06 – B 16 – E 26 – D 36 – C 46 – B
07 – D 17 – C 27 – E 37 – B 47 – B
08 – B 18 – C 28 – A 38 – A 48 – D
09 – E 19 – E 29 – C 39 – D 49 – A
10 – B 20 – A 30 – D 40 – E 50 – C

EDUCAÇÃO ARTÍSTICA – DANÇA
01 – C 11 – D 21 – C 31 – A 41 – C
02 – C 12 – B 22 – E 32 – D 42 – D
03 – D 13 – A 23 – C 33 – B 43 – E
04 – A 14 – B 24 – A 34 – B 44 – C
05 – D 15 – A 25 – B 35 – E 45 – E
06 – B 16 – E 26 – D 36 – B 46 – C
07 – D 17 – C 27 – E 37 – A 47 – B
08 – B 18 – C 28 – A 38 – A 48 – D
09 – E 19 – E 29 – C 39 – C 49 – E
10 – B 20 – A 30 – D 40 – B 50 – E

EDUCAÇÃO ARTÍSTICA – ARTES PLÁSTICAS
01 – C 11 – D 21 – C 31 – E 41 – E
02 – C 12 – B 22 – E 32 – C 42 – D
03 – D 13 – A 23 – C 33 – E 43 – C
04 – A 14 – B 24 – A 34 – C 44 – B
05 – D 15 – A 25 – B 35 – A 45 – D
06 – B 16 – E 26 – D 36 – A 46 – C
07 – D 17 – C 27 – E 37 – B 47 – C
08 – B 18 – C 28 – A 38 – B 48 – B
09 – E 19 – E 29 – C 39 – D 49 – E
10 – B 20 – A 30 – D 40 – A 50 – A

EDUCAÇÃO ARTÍSTICA - ARTES CÊNICAS
01 – C 11 – D 21 – C 31 – E 41 – D
02 – C 12 – B 22 – E 32 – A 42 – D
03 – D 13 – A 23 – C 33 – B 43 – B
04 – A 14 – B 24 – A 34 – B 44 – E
05 – D 15 – A 25 – B 35 – A 45 – C
06 – B 16 – E 26 – D 36 – C 46 – C
07 – D 17 – C 27 – E 37 – A 47 – B
08 – B 18 – C 28 – A 38 – E 48 – D
09 – E 19 – E 29 – C 39 – C 49 – B
0 – B 20 – A 30 – D 40 – A 50 – A

EDUCAÇÃO FÍSICA
01 – C 11 – D 21 – C 31 – D 41 – D
02 – C 12 – B 22 – E 32 – B 42 – A
03 – D 13 – A 23 – C 33 – E 43 – C
04 – A 14 – B 24 – A 34 – B 44 – C
05 – D 15 – A 25 – B 35 – E 45 – B
06 – B 16 – E 26 – D 36 – D 46 – E
07 – D 17 – C 27 – E 37 – A 47 – B
08 – B 18 – C 28 – A 38 – A 48 – E
09 – E 19 – E 29 – C 39 – A 49 – C
10 – B 20 – A 30 – D 40 – A 50 – D

ESPANHOL
01 – C 11 – D 21 – C 31 – D 41 – D
02 – C 12 – B 22 – E 32 – E 42 – C
03 – D 13 – A 23 – C 33 – A 43 – E
04 – A 14 – B 24 – A 34 – B 44 – A
05 – D 15 – A 25 – B 35 – C 45 – B
06 – B 16 – E 26 – D 36 – D 46 – E
07 – D 17 – C 27 – E 37 – B 47 – A
08 – B 18 – C 28 – A 38 – C 48 – D
09 – E 19 – E 29 – C 39 – A 49 – C
10 – B 20 – A 30 – D 40 – C 50 – E

GEOGRAFIA
01 – C 11 – D 21 – C 31 – C 41 – D
02 – C 12 – B 22 – E 32 – B 42 – B
03 – D 13 – A 23 – C 33 – C 43 – A
04 – A 14 – B 24 – A 34 – A 44 – C
05 – D 15 – A 25 – B 35 – D 45 – E
06 – B 16 – E 26 – D 36 – E 46 – D
07 – D 17 – C 27 – E 37 – E 47 – E
08 – B 18 – C 28 – A 38 – D 48 – C
09 – E 19 – E 29 – C 39 – B 49 – A
10 – B 20 – A 30 – D 40 – A 50 – B

HISTÓRIA
01 – C 11 – D 21 – C 31 – B 41 – E
02 – C 12 – B 22 – E 32 – D 42 – D
03 – D 13 – A 23 – C 33 – A 43 – E
04 – A 14 – B 24 – A 34 – C 44 – C
05 – D 15 – A 25 – B 35 – E 45 – D
06 – B 16 – E 26 – D 36 – E 46 – B
07 – D 17 – C 27 – E 37 – C 47 – E
08 – B 18 – C 28 – A 38 – D 48 – C
09 – E 19 – E 29 – C 39 – B 49 – A
10 – B 20 – A 30 – D 40 – A 50 – B

INGLÊS
01 – C 11 – D 21 – C 31 – C 41 – C
02 – C 12 – B 22 – E 32 – D 42 – A
03 – D 13 – A 23 – C 33 – C 43 – E
04 – A 14 – B 24 – A 34 – B 44 – A
05 – D 15 – A 25 – B 35 – C 45 – A
06 – B 16 – E 26 – D 36 – E 46 – D
07 – D 17 – C 27 – E 37 – E 47 – E
08 – B 18 – C 28 – A 38 – E 48 – C
09 – E 19 – E 29 – C 39 – B 49 – E
10 – B 20 – A 30 – D 40 – B 50 – C

PROF.II – ANOS INICIAIS DO ENS.FUNDAMENTAL
01 – B 11 – C 21 – E 31 – A 41 – B
02 – D 12 – A 22 – B 32 – B 42 – D
03 – E 13 – C 23 – A 33 – D 43 – C
04 – A 14 – D 24 – D 34 – C 44 – E
05 – C 15 – A 25 – A 35 – D 45 – A
06 – E 16 – A 26 – C 36 – E 46 – A
07 – B 17 – B 27 – E 37 – D 47 – C
08 – C 18 – E 28 – B 38 – D 48 – D
09 – E 19 – E 29 – C 39 – B 49 – E
10 – B 20 – B 30 – D 40 – C 50 – B

PROFESSOR EDUCAÇÃO INFANTIL
01 – B 11 – C 21 – E 31 – D 41 – B
02 – D 12 – A 22 – B 32 – A 42 – C
03 – E 13 – C 23 – A 33 – B 43 – A
04 – A 14 – D 24 – D 34 – C 44 – D
05 – C 15 – A 25 – A 35 – A 45 – A
06 – E 16 – A 26 – C 36 – B 46 – C
07 – B 17 – B 27 – E 37 – E 47 – E
08 – C 18 – E 28 – B 38 – C 48 – B
09 – E 19 – E 29 – C 39 – D 49 – B
10 – B 20 – B 30 – D 40 – E 50 – A

ORIENTADOR EDUCACIONAL
01 – C 11 – D 21 – E 36 – E
02 – C 12 – B 22 – D 37 – B
03 – D 13 – A 23 – D 38 – C
04 – A 14 – B 24 – A 39 – B
05 – D 15 – A 25 – C 40 – D
06 – B 16 – E 26 – B 41 – C
07 – D 17 – C 27 – A 42 – B
08 – B 18 – C 28 – C 43 – A
09 – E 19 – E 29 – D 44 – D
10 – B 20 – A 30 – A 45 – A
                       31 – B 46 – A
                       32 – A 47 – C
                       33 – C 48 – D
                       34 – A 49 – B
                       35 – D 50 – D

PROFESSOR II – EDUCAÇÃO ESPECIAL
01 – C 11 – D 21 – C 31 – A 41 – B
02 – C 12 – B 22 – E 32 – E 42 – D
03 – D 13 – A 23 – C 33 – C 43 – C
04 – A 14 – B 24 – A 34 – E 44 – A
05 – D 15 – A 25 – B 35 – B 45 – E
06 – B 16 – E 26 – D 36 – A 46 – D
07 – D 17 – C 27 – E 37 – D 47 – C
08 – B 18 – C 28 – A 38 – A 48 – E
09 – E 19 – E 29 – C 39 – C 49 – B
10 – B 20 – A 30 – D 40 – E 50 – D

MATEMÁTICA
01 – C 11 – D 21 – C 31 – B 41 – C
02 – C 12 – B 22 – E 32 – C 42 – B
03 – D 13 – A 23 – C 33 – E 43 – C
04 – A 14 – B 24 – A 34 – C 44 – E
05 – D 15 – A 25 – B 35 – C 45 – A
06 – B 16 – E 26 – D 36 – E 46 – B
07 – D 17 – C 27 – E 37 – D 47 – B
08 – B 18 – C 28 – A 38 – D 48 – E
09 – E 19 – E 29 – C 39 – E 49 – E
10 – B 20 – A 30 – D 40 – B 50 – C

LÍNGUA PORTUGUESA
01 – C 11 – D 21 – C 31 – B 41 – B
02 – C 12 – B 22 – E 32 – D 42 – C
03 – D 13 – A 23 – C 33 – B 43 – A
04 – A 14 – B 24 – A 34 – E 44 – A
05 – D 15 – A 25 – B 35 – C 45 – B
06 – B 16 – E 26 – D 36 – A 46 – A
07 – D 17 – C 27 – E 37 – A 47 – D
08 – B 18 – C 28 – A 38 – D 48 – A
09 – E 19 – E 29 – C 39 – E 49 – C
10 – B 20 – A 30 – D 40 – B 50 – A

SUPERVISOR EDUCACIONAL
01 – C 11 – D 21 – C 36 – E
02 – C 12 – B 22 – B 37 – E
03 – D 13 – A 23 – C 38 – A
04 – A 14 – B 24 – B 39 – D
05 – D 15 – A 25 – D 40 – A
06 – B 16 – E 26 – A 41 – C
07 – D 17 – C 27 – C 42 – B
08 – B 18 – C 28 – C 43 – A
09 – E 19 – E 29 – E 44 – E
10 – B 20 – A 30 – B 45 – C
                        31 – D 46 – B
                        32 – D 47 – B
                        33 – D 48 – A
                        34 – B 49 – A
                        35 – C 50 – D

NUTRICIONISTA
01 – C 11 – D 21 – B 36 – A
02 – C 12 – B 22 – C 37 – D
03 – D 13 – A 23 – D 38 – E
04 – A 14 – B 24 – D 39 – A
05 – D 15 – A 25 – D 40 – C
06 – B 16 – E 26 – B 41 – B
07 – D 17 – C 27 – D 42 – E
08 – B 18 – C 28 – C 43 – B
09 – E 19 – E 29 – A 44 – C
10 – B 20 – A 30 – E 45 – A
31 – D 46 – D
32 – B 47 – A
33 – A 48 – C
34 – E 49 – E
35 – B 50 – B

SECRETÁRIO ESCOLAR
01 – B 11 – C 21 – C 31 – B
02 – D 12 – A 22 – E 32 – D
03 – E 13 – C 23 – E 33 – B
04 – A 14 – D 24 – B 34 – E
05 – C 15 – A 25 – D 35 – A
06 – E 16 – A 26 – B 36 – C
07 – B 17 – B 27 – C 37 – D
08 – C 18 – E 28 – B 38 – B
09 – E 19 – E 29 – D 39 – E
10 – B 20 – B 30 – A 40 – B

AUXILIAR DE CRECHE/PRÉ-ESCOLAR
01 – B 11 – C 21 – A 31 – A
02 – D 12 – A 22 – E 32 – C
03 – E 13 – C 23 – C 33 – B
04 – A 14 – D 24 – C 34 – A
05 – C 15 – A 25 – E 35 – E
06 – E 16 – A 26 – B 36 – B
07 – B 17 – B 27 – D 37 – A
08 – C 18 – E 28 – B 38 – D
09 – E 19 – E 29 – D 39 – E
10 – B 20 – B 30 – A 40 – E

AGENTE PEDAGÓGICO(INSPETOR DE ALUNOS)
01 – B 11 – C 21 – B 31 – B
02 – D 12 – A 22 – D 32 – D
03 – E 13 – C 23 – A 33 – A
04 – A 14 – D 24 – C 34 – D
05 – C 15 – A 25 – B 35 – C
06 – E 16 – A 26 – D 36 – D
07 – B 17 – B 27 – A 37 – A
08 – C 18 – E 28 – E 38 – B
09 – E 19 – E 29 – B 39 – E
10 – B 20 – B 30 – E 40 – C

AUXILIAR DE SECRETARIA
01 – B 11 – C 21 – C 31 – B
02 – D 12 – A 22 – E 32 – D
03 – E 13 – C 23 – A 33 – E
04 – A 14 – D 24 – A 34 – E
05 – C 15 – A 25 – B 35 – C
06 – E 16 – A 26 – D 36 – A
07 – B 17 – B 27 – B 37 – A
08 – C 18 – E 28 – E 38 – D
09 – E 19 – E 29 – E 39 – C
10 – B 20 – B 30 – B 40 – B

MERENDEIRA
01 – C 08 – E 16 – C 23 – B
02 – B 09 – A 17 – C 24 – A
03 – D 10 – B 18 – D 25 – B
04 – C 11 – A 19 – B 26 – E
05 – B 12 – E 20 – D 27 – A
06 – B 13 – D 21 – D 28 – E
07 – D 14 – A 22 – C 29 – A
             15 - D             30 –E 

RioCard - recadastramento de alunos do Município de Niterói-RJ.

A partir do dia 01/12  alunos da Rede Municipal de Educação de Niterói, que possuem RioCard, precisam fazer o recadastramento nas escolas em que estão matriculados - Código Único do Aluno.

A medida foi publicada no Diário Oficial do 25 de novembro pela Fundação Municipal de Educação  - FME - , através da portaria que institui o Código Único do Aluno. O prazo para o recadastramento vai até  21 de janeiro de 2011.

O estudante que não se recadastrar,  terá o cartão RioCard bloqueado. O cadastro será adotado no início do letivo de 2011.

Os alunos novos, ou que ainda não possuam o RioCard,  terão o número gerado no ato da matrícula ou da renovação.

O Código Único do Aluno servirá como registro de toda a vida escolar do estudante até sua saída da Rede Municipal de Educação de Niterói, visando evitar confusões com homônimos, matrículas duplicadas e, inclusive,  disponibilizar aos pais e responsáveis o controle da frequência e notas por meio da internet.

  A unidade escolar será responsável pela criação do código, através da gerência do Departamento de Tecnologia da Informação da FME, e pelo lançamento de dados dos estudantes.

Fonte da informação: Site da Fundação Municipal de Educação de Niterói.

Remoção de professores do Estado RJ.

O período para que os professores do Estado do RJ possam solicitar remoção interna (entre escolas da mesma Coordenadoria) junto a SEEDUC está aberto até o dia 03 de dezembro.

O pedido de  remoção deve ser feito na Coordenadoria Regional a qual o professor está lotado.

Remoção entre Coordenadorias só pode ser solicitada após o término do estágio probatório, que é de  três anos.

A informação está divulgada no Twitter da Coordenadora do COSEP - Alcione Amorim.

@alcionegigi
ALCIONE AMORIM
Professores da Rede Estadual que desejam remoção interna, o período já está aberto e se encerrará em 03/12. Compareçam às Coord.Regionais.
7 hours ago
--------------------------------------------------------------------------------
Quem desejar seguir a Alcione pelo Twitter, e assim acompanhar as informações que ela nos passa por lá, além de poder fazer perguntas diretamente a ela, a URL do Twitter dela é: http://twitter.com/#!/alcionegigi

Vale lembrar que ela é uma pessoa extremamente ocupada, e que, nos responder pelo Twitter ou pelo Orkut não faz parte da atribuições do cargo que ela ocupa. As respostas que ela nos dá por esses meios são apenas gestos de gentileza de uma pessoa que vai além das suas obrigações profissionais para auxiliar ao próximo. Sejam, portanto, compreensivos e pacientes, pois nem sempre ela terá tempo disponível para atender ou responder a todos.

27/11/2010

Se tiver a informação, colabore e responda.

Você sabe a resposta para essa pergunta? Nós estamos procurando a informação. Se souber, deixe a informação aqui. A professora Tatiana deixou a seguinte pergunta no Mural:

De: Tatiana em 26/11/2010
Para: todos  
Alguém saberia informar se um professor ao pedir exoneração de uma matricula na qual já tenha triênio, se ele pode levar esse benefício para a matrícula mais recente?

Nosso blog é feito com a colaboração de todos que passam por aqui, por isso contamos com você.

Tatiana, a Alcione,  deixou a resposta a sua dúvida aqui nos comentários. Vou colocar aqui no post principal, para que fique mais evidente, e outros colegas que tenham o mesmo questionamento também  possam se  beneficiar da informação.
Resposta de Alcione Amorim (Coordenadora do COSEP)
Todo tempo de serviço público pode ser averbado no caso de admissão em uma nova matrícula pública. Só vale informar que só pode dar entrada na averbação após o final do estágio probatório. E aí sim, o tempo da outra matrícula valerá para aquisição de triênios e outras vantagens. Se quiser uma resposta mais formal encaminhe um e-mail para gestaodepessoas@educacao.rj.gov.br. Todos os e-mails são respondidos.

26/11/2010

Lista das escolas Estaduais que tiveram as aulas suspensas no RJ.

Consta no site do Governo do Estado do Rio de Janeiro uma lista com as  escolas cujas  aulas  estão supensas.

Alunos, professores e funcionários dessas unidades não devem ser dirigir a elas.
A Secretaria de Educação informa que as aulas em nove unidades escolares estaduais nos municípios do Rio de Janeiro e de São Gonçalo foram suspensas agora à tarde, devido à dificuldade de acesso dos alunos e professores. A Secretaria de Educação tem uma equipe voltada exclusivamente para o monitoramento desses colégios. O conteúdo educacional perdido será reposto e a Secretaria já está planejando essa reposição.

Segue a lista das unidades

Rio de Janeiro
CE Gomes Freire de Andrade - Penha
CE Heitor Lira - Penha
CE Olga Benário - Olaria
CE Compositor Luis Carlos da Vila - Manguinhos
CE Profº Clóvis Monteiro - Higienópolis
CAIC Theóphilo de Souza Pinto - Bonsucesso (Complexo do Alemão)
CIEP Nação Mangueirense - Mangueira

São Gonçalo
CE Francisco Lima - Gradim

fonte da informação: Site Oficial do Governo do RJ

SEEDUC/RJ - Seleção interna para Grupo de Trabalho de Gestão Escolar.

Seleção interna na Secretaria de Educação Estadual do Rio de Janeiro regulamentada pela RESOLUÇÃO SEEDUC Nº 4646, publicada no Diário oficial de 24 de novembro de 2010.

Há oferta de 250 vagas imediatas, distribuídas pelas 30 Coordenadorias Regionais, e mais 50 vagas de cadastro reserva. As inscrições serão aceitas até 30 de novembro.

Os servidores que desejarem se increver para compor o Grupo de Trabalho precisa  verificar se atende aos seguintes requisitos:
I - pertencer ao quadro de pessoal efetivo da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro;
II - ter no mínimo 05 (cinco) anos, em períodos contínuos ou alternados, computados em regência de turma, coordenação pedagógica, direção de escola, assistência de direção ou orientação educacional;
III - não estar respondendo ou ter sido apenado em processo administrativo disciplinar;
IV - possuir Ensino Superior completo.

Terão preferência os candidatos que tenham concluido curso de especialização e dentre estes os que possuírem curso de especialização em gestão.

Cronograma do Processo Seletivo:
Inscrição dos candidatos - 24/11 a 30/11
Análise de currículo/títulos - 25/11 a 03/12
Resultado da avaliação do currículo - 07/12
Avaliação individual do conhecimento de educação, gestão e informática - 11/12
Resultado da avaliação individual - 14/12
Avaliação de perfil - 15/12 a 29/12
Resultado da avaliação do perfil - 03/01
Programa de capacitação e certificação em gestão - 04/01 a 29/01
Divulgação do resultado - 31/01

Os candidatos selecionados terão carga-horária de 40h semanais e receberão gratificação atrativa. Após o período de atividades, os professores retornarão à unidade de lotação de origem.

IMPORTANTE:
- Professores que tenham duas  matrículas podem se inscrever - receberão a gratificação apenas sobre uma matrícula).
- O professor que fizer parte do Grupo de Gestão Escolar NÃO perde a lotação original.

A gratificação compensará as 40 horas semanais. É uma boa oportunidade de crescimento profissional.

Esclarecimento feito, gentilmente pela Alcione Amorim (Coordenadora do COSEP), por meio do Twitter, em resposta a perguntas deixadas aqui.
Qualquer professor da Rede pode se inscrever, independente da matrícula, seja 16, 22 ou 40 horas. Pode ser PI ou PII.

O professor PII, que tenha curso superior, pode se inscrever.

Caso deseje maiores informações relativas a este processo seletivo, pode obter esclarecimentos pelos telefones (21) 2333-0682 / 2333-0693

Faça sua Inscrição no site da SEEDUC

Confira a Resolução no Diário oficial.
Confira o número de vagas em cada Coordenadoria.

Belford Roxo - Concurso 2010 - Educação.

Prefeitura Municipal de  Belford Roxo - CEPERJ/FESP - Estão abertas as inscrições para o Magistério 2010/2011 . Há oferta de vagas para  professores e outros profissionais da área d e Educação.

Esse concurso está prometido há bastante tempo, e finalmente saiu o Edital. As incrições podem ser realizadas no perído de 25 de novembro de 2010 a 28 de  dezembro de  2010.

As provas estão previstas para 30 de janeiro de  2011 e o resultado final do concurso está previsto para  ser  divulgado em 18 d e março de  2011.

Confira os cargos para os quais são oferecidas vagas e os respectivos  valores das taxas de inscrição:
Professor I – 6º ao 9ª ano (todas as disciplinas), Orientador Educacional, Supervisor Escolar, Inspetor Escolar Externo R$60,00
Professor II – 1º ao 5º ano, Professor II – Educação Especial e Intérprete de Libras R$40,00
Secretário Escolar 30,00

Os salários vão de R$ 675,00  a R$ 1.210,40.

As pessoas interessadas em mais  informações sobre Concurso Público da área de Educação da prefeitura de  Belford Roxo 2010, podem obtê-las  pelos telefones (21) 2334-7122/7125/7130/7103 e, para envio de fax, os telefones (21) 2334-7125/7130,  de 10h às 16h, de segunda a sexta-feira, com exceção de feriados e/ou pontos facultativos.

As inscrições podem ser feitas no site da CEPERJ

23/11/2010

Gabarito AGENTE EDUCADOR II Municipio RJ

A prova para Agente Educador II - Prefeitura do RJ aconteceu no último dia 21 - Confira o gabarito oficial.


1 C
2 B
3 C
4 A
5 D
6 B
7 C
8 A
9 B
10 A
11 D
12 C
13 D
14 B
15 C
16 C
17 A
18 B
19 D
20 B
21 C
22 A 
23 D
24 C
25 ANULADA
26 B
27 C
28 A
29 D
30 C
31 B
32 D
33 A
34 D
35 C

20/11/2010

IBAM - Concurso Prefeitura Indaial - SC 2010.

A prova acontece dia 21/11/2010 - Gabarito e Local de prova são informados pela organizadora do Concurso magistério de Indaial 2010 - IBAM -Instituto Brasileiro de Administração Municipal.

Os profissionais aprovados e convocados terão carga horária de 40 horas semanais e receberão o salário de R$1.410,93

Há oferta de  vagas para os seguintes cargos:
Professor de Artes
Professor de Ciências
Professor de Educação Física
Professor de Educação Infantil
Professor de Ensino Fundamental
Professor de Ensino Religioso
Professor de Geografia
Professor de História
Professor de Inglês
Professor de Língua Portuguesa
Professor de Matemática

Todo o acompanhamento deste concurso, Edital,  Local, data e horário de prova, CCI, Gabarito, Interposição de Recursos, Resultado Final, Lista de aprovados/classificados, poderá ser realizado pelo site da organizadora IBAM

Atribuição de aulas - professor OFA - SEE/SP.

Recebi essa informação por e-mail e espero que possa esclarecer algumas das dúvidas dos professores da SEE de SP sobre a atribuição de aulas para o ano letivo de 2011 na Rede Estadual de Educação de SP.

Segue abaixo o e-mail na íntegra.

" Para facilitar a vida dos camaradas, anexamos o Fax Urgente da central que traz a Portaria DRHU 56.

Primeiro, a atribuição será, toda ela, em 2011. Tem muito boato na rede falando que haverá atribuição em 2010, não é verdade, a resolução é clara.

Segundo, haverá provas obrigatórias para atribuição de aulas, o boato de que as provas acabaram, é somente um boato; o que houve este ano – professores terem aulas atribuídas sem terem feito as provas ou terem sido aprovados nelas - está previsto para o próximo apenas como excepcionalidade – qualquer professor que não for titular de cargo efetivo terá que ser aprovado nas provas para ter aulas atribuídas.

É importante todos atentarem para o calendário de inscrições; de 04 a 20 de outubro. Na escola se inscreverão os efetivos e “estáveis” (categorias N, P e F); os candidatos a contratação – categoria O – deverão se inscrever na DRE de opção, isso inclui os professores que têm aulas atribuídas este ano.

A penúltima coisa que falta lembrar é a “sopa de letrinhas”, as diversas situações funcionais expressas nas categorias; vamos a ela.

Ø Efetivos: são os professores concursados, titulares de cargo.
Ø Estáveis categoria N: são os professores celetistas – muito raros na rede.
Ø Estáveis categoria P: são os professores estabilizados pela constituição de 1988.
Ø “Estáveis” categoria F: são os antigos ofa’s ou act’s, que estavam vinculados à rede antes da lei 1010/2007 que criou a SPPREV – que têm a garantia da “jornada” mínima de 12 aulas semanais.
Ø “Estáveis” categoria L: são os antigos ofa’s ou act’s que foram contratados antes das leis 1093 e 1094/2009 – que deverão ser demitidos no final de 2011, tornando-se categoria O.
Ø Contratados categoria O: são os professores regidos pelas leis 1093 e 1094/2009; contratados por prazo determinado – no máximo pela duração do ano letivo – sendo dispensados ao final do contrato e podendo retornar à rede somente após “quarentena” de 200 dias – portanto, todos serão demitidos ao final deste ano letivo.

A última coisa que falta é saber quem fará provas.

O importante é lembrar que, segundo a portaria, estão dispensados das provas os professores que obtiveram nota mínima – foram aprovados – nas provas de 2010 e na prova de promoção na carreira/mérito – a aprovação no concurso de 2010 não vale. Estes professores poderão fazer as provas deste ano – opcionalmente – para aumentar suas pontuações – valerá para este feito a maior nota.

Ø Efetivos: não farão provas, a atribuição será nos moldes costumeiros – escola e depois DRE.
Ø Categorias F, N e P: se não conseguiram aprovação nas provas deste ano ou na prova de promoção/mérito deverão fazer a prova.
Ø Categorias L e O: todos deverão fazer a prova, independente de terem sido aprovados nas outras provas deste ano.

Para os professores obrigados a fazer a prova, a inscrição será automática – juntamente com a inscrição para atribuição de aulas/2011 – e para os que não são obrigados a fazê-la, deverão no ato da inscrição optar por fazê-la.

Por último, persiste uma dúvida, que não é esclarecida pela instrução. É o caso dos professores (F, N ou P) que conseguiram ser aprovados na “prova” somando o tempo de serviço. A interpretação do jurídico da APEOESP é que a instrução inclui estes professores na obrigatoriedade de fazer a prova – a prova não seria optativa, que é o que seria mais lógico.

Quando nos perguntam se devem ou não se inscrever para fazer a prova, devemos dizer a verdade, ou seja, que caso alguém que nunca trabalhou no magistério, ou que não tenha passado na prova do ano passado, caso seja aprovado com maior nota, vai escolher aulas e classes primeiro, criando uma situação de incentivo a fazer a prova aos professores que estão aprovados. Isto não significa orientar a fazer, mas esclarecer, para que não tenham ainda um prejuízo maior na atribuição de 2011, afinal como diz o velho ditado “o seguro morreu de velho...”
--
Humberto - Conselheiro Apeoesp
Oposição alternativa.
Transparência e independência dos patrões 

Curso de formação para maridos.

Encontrei esse cursinho básico e gratuito. Embora despretensioso, o curso pode ser muito útil à professoras que estão pensando em se arriscar na aventura do casamento.

Objetivo pedagógico:
Propiciar aos homens condições para desenvolver a parte do corpo da qual ignoram a existência (o cérebro).

O curso é composto por 4 módulos:

Módulo 1: Introdução (Obrigatório)
1 – Aprender a viver sem a presença da mamãe. (2.000 horas)
2 – Minha mulher não é minha mãe. (350 horas)
3 – Entender que o time não se classificar para o Mundial não é o fim do mundo. (500 horas)

Módulo 2: Vida a dois
1 – Ser pai e não ter ciúmes do filho. (50 horas)
2 – Deixar de dizer impropérios quando a mulher recebe suas amigas. (500 horas)
3 – Superar a síndrome do ‘o controle remoto é meu’. (550 horas)
4 – Não urinar fora do vaso. (1000 horas – exercícios práticos em vídeo)
5 – Entender que os sapatos não vão sozinhos para o armário. (800 horas)
6 – Como chegar ao cesto de roupa suja. (500 horas)
7 – Como sobreviver a um resfriado sem agonizar. (450 horas)

Módulo 3: Tempo livre
1 – Passar uma camisa em menos de duas horas. (exercícios práticos)

Módulo 4: Curso de cozinha
1 – Nível 1. (principiantes – os eletrodomésticos) ON/OFF = LIGA/DESLIGA
2 – Nível 2. (avançado) Minha primeira sopa instantânea sem queimar a Panela.
3 – Exercícios práticos: Ferver a água antes de por o macarrão.

Cursos Complementares
Por razões de dificuldade, complexidade e entendimento dos temas, os cursos terão no máximo três alunos.

1 – A eletricidade e eu: vantagens econômicas de contar com um técnico competente para fazer reparos.
2 – Cozinhar e limpar a cozinha não provoca impotência nem homossexualidade. (práticas em laboratório)
3 – Porque não é crime presentear com flores, embora já tenha se casado com ela. (essa é muuuito importante)
4 – O rolo de papel higiênico: Ele nasce ao lado do vaso sanitário? (biólogos e físicos falarão sobre o tema da geração espontânea)
5 – Como baixar a tampa do vaso passo a passo. (teleconferência)
6 – Porque não é necessário agitar os lençóis depois de emitir gases intestinais. (exercícios de reflexão em dupla)
7 – Os homens dirigindo, podem SIM, pedir informação sem se perderem ou correr o risco de parecerem impotentes. (testemunhos)
8 – O detergente: doses, consumo e aplicação. Práticas para evitar acabar com a casa.
9 – A lavadora de roupas: esse grande mistério.
10 – Diferenças fundamentais entre o cesto de roupas sujas e o chão (exercícios com musicoterapia)
11 – A xícara de café: ela levita, indo da mesa à pia? (exercícios Dirigidos por Mister M)
12 – Analisar detidamente as causas anatômicas, fisiológicas e/ou psicológicas que não permitem secar o banheiro depois do banho.

O curso é gratuito para homens solteiros. Para os casados damos bolsas. 

SEED Paraná - APP - Resultado da avaliação médica - concurso 2007.

APP - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO PÚBLICA DO PARANÁ - professores considerados Inaptos e ausentes devem procurar a DIMS a partir do dia 16.

De acordo com informação do site do GRHS da Seed, os professores que foram considerados inaptos temporários, assim como os  que não constem em nenhum dos anexos do edital, devemcontactar a Divisão de Saúde e Medicina Ocupacional  - DIMS -  a partir de 16 de novembro, de 8h às 14h, por meio dos telefones: (41) 3883-6314 e 3883-6333.

Os professores considerados aptos, deverão aguardar o decreto de nomeação e todas as orientações para ingresso no cargo. Essas informações serão publicadas no site da GRHS, bem como no portal da APP-Sindicato.

Confira abaixo os Editais e anexos relativos ao concurso de 2007.

:: Edital nº 113/2010
:: Anexo I
:: Anexo II
:: Anexo III



14/11/2010

CEDERJ/CECIERJ - Vestibular 2011 - Inscrições prorrogadas.

Vestibular CEDERJ/CECIERJ - inscrições até 17 de novembro - Candidatos poderão concorrer a vagas na UENF, UERJ, UFF, UFRJ, UFRRJ E UNIRIO. Ha também vagas reservadas a professores.

As inscrições foram prorrogadas até 17 de novembro de 2010 - No mês em que o Brasil comemora o Dia Nacional da Educação a Distância, o Cederj oferece 4,5 mil vagas para cursos de graduação a distância pela UENF, UERJ, UFF, UNIRIO, UFRJ e UFRRJ.

Há 10 anos teve início a parceria entre o Governo do Estado do Rio de Janeiro e as universidades federais e estaduais que pretendia democratizar o acesso ao ensino superior público para aqueles que moravam distante dos campi universitários ou que não tinham condições de freqüentar a graduação no horário tradicional.

O programa de educação a distância é uma iniciativa do Governo do Estado, através da Secretaria de Ciência e Tecnologia, com as seis universidades públicas presentes no Rio de Janeiro.

Atualmente, o Cederj conta com 26 mil alunos regularmente matriculados nas universidades estaduais e federais que realizam seus cursos em 32 polos regionais com sistema de tutoria presencial e a distância (por telefone, fax, internet), além de aulas práticas de laboratório. Ao concluir a graduação, estes estudantes recebem diploma das referidas instituições públicas.

Até 17 de novembro, o Cederj inscreve para 4,5 mil vagas para os seguintes cursos: Administração, Tecnologia em Sistemas de Computação, Licenciatura em Ciências Biológicas , Licenciatura em Física, Licenciatura em Matemática, Licenciatura em Pedagogia, Licenciatura em Química, Licenciatura em História e Licenciatura em Turismo. Além disso, este vestibular contará com um novo curso: Administração Pública, voltado para aqueles que pretendem seguir carreira no setor público.

Os interessados podem optar por um dos polos regionais do Cederj . São eles: Angra dos Reis, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cantagalo, Duque de Caxias, Itaguaí, Itaocara, Itaperuna, Macaé, Magé, Miguel Pereira, Natividade, Niterói, Nova Friburgo, Nova Iguaçu, Paracambi, Petrópolis, Piraí, Resende (Centro e FAT), Rio Bonito, Rio das Flores, Rio de Janeiro (Campo Grande e Maracanã), Santa Maria Madalena, São Fidelis, São Francisco de Itabapoana, São Gonçalo, São Pedro da Aldeia, Saquarema, Três Rios e Volta Redonda.

As inscrições devem ser realizadas no site http://www.cederj.edu.br/ até 17 de novembro. Mais informações pelo site ou pelos telefones (21)2334-1728, (22)3861-4844, (24)2431-9982.

Plataforma Freire - Inscrições abertas para o ano letivo 2011 - primeiro semestre.

A Plataforma Freire, sistema do Ministério da Educação , está com inscrições abertas para as redes públicas de Educação Básica de todo o país até 30 de novembro.

Na Plataforma Freire os professores  da rede pública  podem atualizar seus currículos e se inscrever em cursos gratuitos, dando prosseguimento a sua formação acadêmica.

Para iniciar as aulas em um dos cursos de licenciatura, ofertados  por diversas universidades públicas do seu estado (há vagas distribuídas por todo o Brasil) no primeiro semestre de 2011, a pré-inscrição deve ser realizada na Plataforma Freire até o dia 30 de novembro de 2010.

Serão oferecidas apenas vagas na modalidade presencial, estando contempladas vagas de:
- primeira licenciatura – para professores que não têm um curso de licenciatura plena.
-  segunda licenciatura – para professores que já têm licenciatura plena em uma disciplina, mas que atuam no ensino de outra disciplina há pelo menos três anos e desejam fazer uma formação específica para habilitarem-se nesta disciplina em que lecionam.

Os professores, do Rio de Janeiro,  que tiverem interesse em cursar as licenciaturas na modalidade a distância podem ainda concorrer a essas vagas, mas desta vez as inscrições não serão pela Plataforma Freire.

A Fundação Cecierj, que reúne grandes universidades públicas do estado, reservou uma cota de vagas destinadas a professores das redes públicas. Os interessados podem acessar o site http://vestibular.cederj.edu.br para realizar a inscrição até o dia 17 de novembro.

Confira alguns pontos importantes informados pela equipe da Plataforma Freire sobre as vagas para o primeiro semestre de 2011:

• Mantenha seu currículo atualizado, pois ele será a referência na avaliação de sua pré-inscrição pelas secretarias de educação. Caso o currículo não esteja atualizado, o candidato poderá ter a pré-inscrição negada ou nem mesmo avaliada. Informações obrigatórias que devem constar no currículo:
o Dados pessoais, formação acadêmica e atuação profissional;

• Será aceita apenas uma pré-inscrição por professor;
• Para o primeiro semestre de 2011, serão ofertados cursos de formação inicial na modalidade presencial e formação continuada na modalidade a distância;

• As ofertas seguirão o seguinte cronograma:
- 5 de novembro: Abertura de pré-inscrições – permitida a pré-inscrição do candidato em apenas um curso;
- 30 de novembro: Encerramento das pré-inscrições;
- 1 de dezembro: Abertura das validações das pré-inscrições pelas secretarias estaduais e municipais de educação;
- 7 de janeiro: Fim das validações e envio de pré-inscrições às Instituições Formadoras de Educação Superior (IES);
- 7 de janeiro: Início dos processos seletivos pelas IES.

Incrição : Plataforma Freire

SEDUC/MT - Calendário escolar para o Ano Letivo de 2011.

ESTADO DE MATO GROSSO - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO - PORTARIA Nº 579/10/GS/Seduc/MT, que dispõe sobre o ano letivo de 2011.

A SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhes são conferidas por Lei e, Considerando a necessidade de garantir o cumprimento do disposto no artigo 24, inciso I, da Lei nº 9.394/96; Considerando ainda, a necessidade de normatizar o início e término do ano letivo nas unidades escolares da rede estadual de ensino;
R E S O L V E:
Art. 1º Determinar que o Calendário Escolar para o Ensino Fundamental e Médio deverá ter, no mínimo, 200 (duzentos) dias letivos, sendo a matriz curricular com a carga horária mínima de 800 horas e máxima de 880 horas anual, respeitando a especificidade de cada etapa e modalidade de ensino.
Art. 2º Os diretores das unidades escolares e o respectivo Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar, na elaboração do calendário do ano letivo 2011, deverão observar as datas estabelecidas nesta Portaria e encaminhá-lo à Assessoria Pedagógica do Município para análise e acompanhamento.
Art. 3º Estabelecer o início do ano letivo em 14.02.2011 e o término em 23.12.2011 nas unidades escolares estaduais.
Art. 4º Determinar que as férias regulamentares dos professores da Educação Básica, nos termos do inciso I, do artigo 54, da Lei Complementar nº. 50/98 sejam nos seguintes períodos:
I - após o término do 1º semestre letivo, de 15 a 29 de julho de 2011 período de 15 (quinze) dias de férias escolares destinadas aos professores em sala de aula, articuladores e alunos;
II - no encerramento do ano letivo, conforme os respectivos calendários escolares, as férias regulamentares de 30 dias terão início no seu 1º dia útil imediato conforme estabelece a Portaria nº 553/10/GS/Seduc/MT.
Art. 5º Para atender a organização escolar própria da Educação do Campo, Educação Escolar Indígena e Quilombola, o calendário escolar poderá ser adequado à realidade de cada região, obedecendo às exigências previstas na legislação de ensino quanto ao mínimo de dias letivos e carga horária anual, devendo a Equipe Gestora encaminhá-lo à Assessoria Pedagógica e a Superintendência de Gestão Escolar para análise e acompanhamento, bem como, para parametrização das regras no sistema Sigeduca.
Art. 6º Determinar que no 1º dia útil após o término das férias coletivas, referente ao período 2010/2011 (26.12.10 a 26.01.11), o profissional da educação básica, efetivo ou estabilizado, deverá retornar as suas atribuições funcionais, na sua unidade escolar de lotação, para planejamento das atividades escolares referentes ano letivo/2011 e auxiliar a Comissão de Atribuição de Classes e/ou Aulas e Regime/Jornada de Trabalho, no processo de atribuição e demais atividades pertinentes.
Parágrafo Único - Nos dias 07, 08, 09, 10 e 11.02.11, as unidades escolares realizarão a Semana Pedagógica para planejamento curricular do ano letivo de 2011;
Art. 7º A unidade escolar entregará documento informativo aos pais ou responsáveis do aluno e ao próprio aluno quando for maior de idade para a renovação da matrícula, que deverá ser devolvido à escola no período determinado, devidamente assinado.
Art. 8º A renovação da matrícula para os alunos que fazem parte do quadro da escola em 2010 e constam no Sigeduca/GED, será no período de 18.12.10 a 31.12.10.
§ 1º As matriculas para novos alunos (aqueles que não constam na unidade escolar no quadro Sigeduca/GED) e desistentes de 2010 será a partir de 02.01.11;
§ 2º A unidade escolar deverá manter rigorosamente os prazos fixados para matrícula dos alunos, no link Sigeduca/GED considerando que as turmas serão compostas de acordo com as matrículas constantes no sistema;
§ 3º No ato da matrícula de novos alunos ou da renovação da matrícula, a escola consultará a opção do aluno para cursar ou não a disciplina Educação Religiosa (p/3º ano do 2º ciclo e 3º ciclo do ensino fundamental) e disciplina optativa de Língua Estrangeira Moderna no ensino médio;
§ 4º Os alunos com idade acima de 15 (quinze) anos, cursando o ensino fundamental serão atendidos preferencialmente em escolas que ofereçam a Educação de Jovens e Adultos.
Art.9º Definir que a partir de 2011, os alunos portadores de Síndrome de Down, sejam gradativamente inclusos na classe de ensino regular das escolas estaduais.
Art. 10 As matrizes curriculares inseridas e validadas para o ano letivo de 2010, serão mantidas para o ano de 2011;
§ 1º As unidades escolares que estão com as matrizes curriculares em desacordo com a política pedagógica do Estado e/ou com o Projeto Político Pedagógico, deverão encaminhar a solicitação de alteração para a Superintendência de Educação Básica (ensino fundamental e médio) ou Superintendência de Diversidades Educacionais (Eja, Ceja, Ed.do Campo, Ed. Especial, Ed. Indígena e Quilombola), até 05.11.10.
§ 2º Após esta data, não será mais aceito solicitação de alteração nas matrizes já constantes no sistema;
§ 3º As Matrizes Curriculares das unidades escolares serão inseridas e homologadas no Sigeduca/GER, pelos Técnicos das Gerências/Coordenadorias da SUEB e SUDE/Seduc, impreterivelmente, no período de 12.11.10 a 06.12.10;
Art. 11. Com a finalidade de atender o cadastro no link Sigeduca/GPE as unidades escolares deverão, no período de 29.10.10 a 19.11.10, atualizar ou confirmar as informações no que se refere a:
I - calendário letivo / 2011;
II – identificação da escola;
III – ambientes;
§ 1º. As escolas que tenham salas anexas deverão cadastrar no campo “AMBIENTES”, a sala, localização (urbana ou rural) e distância da escola sede.
§ 2º As unidades escolares para contarem com os cargos de Professor Articulador da Aprendizagem e Professor de Sala de Recursos Multifuncionais, devem resguardar e cadastrar o ambiente para cada cargo;
a) a unidade escolar que não atender as exigências ( ambiente apropriado) para a manutenção das funções citadas acima, não terão direito aos cargos.
Art. 12. Todas as unidades escolares estaduais deverão inserir até 14 de janeiro de 2011, os dados da vida acadêmica dos alunos e fazer o fechamento do ano letivo de 2010 no Sigescola/Web - Sigeduca/GED.
§ 1º As turmas serão migradas do Sigeduca/GED, para o Sistema Sigeduca/GPE após conclusão do processo de matrículas, que deverá ser entre 17.01.11 a 21.01.11.
§ 2º Após migração/constituição das turmas no quadro Sigeduca/GPE, iniciar-se-á a atribuição de classes e/ou aulas e jornada de trabalho a partir de 27.01.11.
§ 3º Os dados de matriculas informados, via sistema Sigeduca/Web, serão considerados oficiais para repasses de recursos financeiros do Plano de Desenvolvimento da Escola/PDE, do Programa Nacional da Alimentação Escolar/PNAE e outros.
Art. 13. Compete à Assessoria Pedagógica no Município acompanhar e fazer cumprir o disposto nesta Portaria.
Art. 14. Os casos omissos serão solucionados pelas Superintendências: de Educação Básica, de Diversidades Educacionais, de Gestão Escolar e de Gestão de Pessoas, de acordo com as atribuições inerentes a cada uma delas.
Art. 15. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Cuiabá, 18 de outubro de 2010.
ROSA NEIDE SANDES DE ALMEIDA
Secretária de Estado de Educação.

Informação no Documento do SEDUC-MT, que está publico e pode ser baixado no Portal do Estado do Mato Grosso

Matrícula - Rede Municipal de Educação de Nilópolis 2011.

Secretaria Municipal de Educação  da Prefeitura de Nilópolis informou calendário de matrículas para a Rede Municipal de Ensino para alunos que desejem ingressar na rede - ano letivo de 2011.

Renovação da matrícula:
O responsável pelo estudante precisa comparecer na unidade escolar , para requerer a renovação da matrícula do aluno para o ano letivo de 2011.

Pré-matrícula:A inscrição para a pré-matrícula e a matrícula precisam ser realizadas pelos pais ou responsáveis legais, de posse das seguintes informações e documentos:

- Nome Completo do aluno;
- Data de Nascimento;
- Filiação;
- Endereço completo;
- Telefone para contato;
- Turno no qual deseja estudar;
- Se é portador de necessidades especiais.

A pré-matrícula já está sendo realizada e o prazo é até o dia 30 de novembro. Há oferta de  vagas para a Educação Infantil e 1º ano do Ensino Fundamental, para os alunos que não estejam matriculados na rede municipal.

Podem se inscrever para a  Educação Infantil os candidatos a partir dos
 - 3 anos completos ou a completar até 31 de março de 2011 até 5 anos completos ou a completar até 31 de março de 2011.

Para o 1º ano do Ensino Fundamental podem ser matriculados os alunos com
- 6 anos completos ou a completar até 31 de março de 2011, de acordo com a oferta de vagas na Unidade Escolar.

Documentos a serem apresentados para a matrícula no ano letivo de  2011:
- Comprovante de Residência;
- Certidão de Nascimento;
- Caderneta de Vacinação;
- 2 fotos 3×4.

A matrícula para os inscritos na pré-matrícula deverá ser confirmada no período de 05 à 14 de janeiro de 2011.

Para as demais séries, a matrícula será realizada entre 17 e 20 de janeiro de 2011. Os excedentes da pré-matrícula serão encaminhados pela Secretaria de Educação para as unidades escolares entre os dias 25 e 29 de janeiro de 2011.

Endereços das Unidades de Ensino da Rede Municipal:
- E. M Sagrado Coração de Jesus - Rua Gonçalves Dias, 115, s/nº, Nova Cidade. Tel.: 2660-9753..
- Centro Integrado de Educação Pública Novo Horizonte (CIEP 186) – Rua João da Mata Peixoto, 579, Novo Horizonte. Tel.: 3760-2057..
- E. M. Maria da Conceição Cardoso - Av. Rio Branco, 434, Nova Cidade. Tel.: 2692-7987.
- Centro de Educação Infantil Regina Sessim - Rua Campos Sales, 46, Nova Cidade.Tel.: 2660-9761.
- C. M. Dr. Nilo Peçanha - Rua Adolfo Bergamini, 8, Centro.Tel.: 2660-9425..
- E. M. Professora Edir Ribeiro - Rua Gonçalves Dias, 115, Nova Cidade. Tel.: 2692-7537..
- Centro de Educação Infantil Isaura da Costa Sá Coelho – Rua Fagundes Varela 654, Nova Cidade.Tel.: 2660-9267 .
- Centro Integrado de Educação Pública Professora Stella de Queiroz (CIEP 136)- Rua Doutor Rufino Gonçalves Ferreira, s/nº, Frigorifico. Tel.: 2660-9421.
- Centro de Educação Infantil Dona Pequetita - Rua Damázio Batista, s/nº, Cabral. Tel.: 2660-9698.
- E. M. Cel. Antônio Benigno Ribeiro - Rua Roldão Gonçalves, 305, Cabral. Tel.: 2660-9647.
- E. M. Vereador Orlando Hungria - Rua Elizeu de Alvarenga, 134, Olinda. Tel.: 2660-9064..
- C. M. Professor José D’ Alessandro - Rua Antônio Pereira, 1337, Olinda. Tel.: 2660-9675..
- E. M. Ribeiro Gonçalves - Rua Júlio Berkowitz, 978, Cabuis. Tel.: 2660-9655..
- C. M. Companheiros de Maryland - Rua Luiz Gonçalves Júnior, 158, Centro. Tel.: 2660-9373.
- E. M. Poeta Carlos Drummond de Andrade - Estrada Marechal Castelo Branco, 1365, Nossa Senhora de Fátima. Tel.: 2660-9407..
- E. M. Prof. Washington Bittencourt - Rua João da Mata Peixoto, 63/68, Novo Horizonte. Tel.: 2660-9452..
- E. M. Margarida Fernandes Sabino - Rua Vereador Francisco Nunes Martins, 284, Olinda. Tel.: 2792-2303.

13/11/2010

Bahia - Concurso 2010 para professor - CESPE/UNB.

CESPE/ UNB - Professor padrão P – Grau 1 - saeb-ba2010 - Interessados  em uma das 3.200 vagas do concurso para a Carreira do Magistério Estadual da Bahia, têm até domingo (14 de novembro de 2010),  para inscrição.

Vai até domingo, dia 14, o prazo para realizar  as inscrições do concurso público para professor da rede estadual  de educação da Bahia.

Os docentes interessados em conquistar a uma das 3.200 pode obter mais informações relativas ao Magistéio do Estado d a Bahia no  site da Secretaria da Educação do Estado da Bahia (www.educacao.ba.gov.br).

A carga horária de trabalho é de 20 horas semanais e o salário inicial é de R$ 858,32, com possibilidades de progressão ao longo da carreira.

Há oferta de vagas na capital e em todos os municípios baianos, para todas as disciplinas (Educação Física, Artes, Língua Portuguesa, Inglês, Espanhol, Matemática, Geografia, História, Filosofia, Sociologia, Biologia, Química e Física).

Concurso: Secretaria de Administração e Secretaria de Educação do Estado da Bahia
Cargo: Professor Padrão P – Grau 1 da carreira do Magistério Público do Ensino Fundamental e do Ensino Médio
Vagas: 3.200, mais formação de cadastro de reserva
Prazo de inscrição: até 14 de novembro
Valor da inscrição: R$ 70,00
Salário: R$ 654,32, acrescidos de gratificação de R$ 204,02.
Provas objetivas e discursiva prevista para dia 9 de janeiro

As inscrições devem ser reliazadas, exclusivamente pela internet,  no site da organizadora Cespe/Universidade de Brasília, até as 23h59 do dia 14. http://www.cespe.unb.br/concursos/saeb_ba2010/

Para participar é preciso possuir diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso superior de licenciatura plena específica para a disciplina à qual está concorrendo.

09/11/2010

Convocação concurso 2008 - Secretaria Estadual Educação RJ - 08-11-2010.

Duas convocações para os aprovados do concurso de 2008 - Uma para as vagas dos professores que não tomaram posse nas chamadas anteriores e outra para as vagas de carência normal.

No mesmo Diário oficial está também a listagem dos professores eliminados nas convocações anteriores.

As duas convocações estão aqui nessa mesma página.
EDITAL
CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE I - 2008
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor [...] torna pública a convocação dos candidatos aprovados e classificados no Concurso Público, realizado em 2008, cujo resultado foi publicado no D.O. de 16/01/2009 e retificado no D.O. de 27/01/2009, em decorrência de vagas de eliminados.
Os candidatos deverão comparecer no local, dia e hora fixados neste Edital, [...]
Os candidatos considerados habilitados pela Equipe de Acompanhamento e Avaliação da Coordenadoria Regional serão encaminhados à Superintendência de Perícia Médica e Saúde Ocupacional - SPMSO/SESDEC, para exame médico admissional, [...]
Os candidatos que não comparecerem no prazo de 10 (dez) dias serão considerados faltosos, sob pena de perda da vaga obtida no concurso.
Confira se  seu nome está na lista abaixo.

COORDENADORIA REGIONAL BAIXADAS LITORÂNEAS II - Rua Bernardo Vasconcellos, n° 505 - Centro - Araruama - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
GUSTAVO BENTO RIBEIRO DE ARAÚJO 23
IGOR SANTIAGO DE ALMEIDA 24
COORDENADORIA REGIONAL CENTRO SUL I - Rua Prefeito Joaquim José Ferreira (Antiga Rua Manoel Duarte), nº 81 - Centro - Três Rios - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ANDRÉIA REGINA DOS SANTOS 24
COORDENADORIA REGIONAL MÉDIO PARAÍBA I - Rua Antonio da Silva Brinco, nº 1068 - Oficinas Velhas - Barra do Piraí - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
SIMONE MARQUES LOPES 36
ANA APARECIDA MOREIRA AROUCA 37
COORDENADORIA REGIONAL MÉDIO PARAÍBA III - Avenida Presidente Getúlio Vargas, nº 397- Campos Elíseos - Resende - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
PÂMELA DA FONSECA AZEVEDO 35
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA I - Rua Profª Venina Correa Torres, nº 41 - Centro - Nova Iguaçu - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ELIZABETH ROSA TERRA 311
LIZANDRA MARENDAZ DA SILVA 312
ESTER CASTRO DA SILVA VALENTIM 313
LEONARDO MENDES PERES 314
ANDREA TARGINO DA SILVA 315
ALINE DUTRA DE MORAIS 316
HUMBERTO DA SILVA FERNANDES JUNIOR 317
FABIANE EVANGELISTA DA SILVA 318
PAULA RODRIGUES GUIMARÃES 319
ANA PAULA AMARAL DA FONSECA 320
EDENALVA GONÇALVES DA SILVA 321
MÔNICA DA ROSA RIBEIRO DA SILVA 322
CLARISSE MARTINS ALVARENGA 323
CICERA LIMA DE ALENCAR 324
SANDRA OLIVEIRA DOS SANTOS 325
CLAÚDIA GOMES DE CARVALHO 326
ALINE CAMARGO VIEIRA 327
IVANE PEREIRA DOS SANTOS BERNARDO 328
PATRÍCIA HELENA ROCHA LOPES 329
ANA CARLA MOREIRA VELOSO 330
LUCIENE DA SILVA BARBOSA 331
ERICA SANCHES BARBOSA 332
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA II - Rua José Joaquim de Oliveira, s/nº - Paiva - São Gonçalo - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
RAQUEL DA COSTA SILVA DOS SANTOS 121
SÂMARA SILVA TEIXEIRA 122
GLEYSA NANTES PINHEIRO 124
LUCIANA HELENA SOUSA VERISSIMO 125
GRACIANA MENDONÇA DOS SANTOS 126
DEISELANE OLIVEIRA DA SILVA 127
KELLY DE JESUS DA SILVA 128
JULIANA REGOTO RODRIGUES 131
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA III - Rua Dias da Cruz, nº 638 - Méier - Rio de Janeiro - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. BIOLOGIA
SUELEN GONÇALVES BRAGA 47
VANESSA STEFANO MÁSQUIO 48
LEANDRA MARQUES CHAVES MELIM 50
MARCELLE MOTTA SANTORO 51
ALINE DE SOUSA DOS SANTOS 52

10/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
ARETA GOMES VASCONCELOS 38
MICHELINE DA SILVA BARCELLOS 39

10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
JULIANA VAREJÃO CASARIN DE PAIVA 60
VANESSA CRISTINA DA SILVA NUNES 61
VIVIANE CARUSO 62

10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
MARCELA MARQUES PAIS PINTO 153
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA IV - Rua Maria de Jesus Botelho, nº 100 - Campo Grande - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. BIOLOGIA
TATIANA MARIA DOS SANTOS SCABIO 60
ROSANA MARIA JUAZEIRO 62
FERNANDA DUARTE AMARO 63
LIBÉRIA MARIA DE SOUZA TORQUATO 64
MARIA CAROLINA DE SOUSA MARTINS 65

10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
FLÁVIO DE SANTANA RIBEIRO 76
FLAVIA VIEIRA DE AGUIAR 77
ANTÔNIO RODRIGO MEDEIROS RAMOS 78

10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
GEISA JANAINA FERREIRA NUNES MAGALHÃES 207
PRISCILA DA SILVA CAMPOS 208
MARTA FERREIRA BORGES 209
MÁRCIA CRISTINA DA SILVA RODRIGUES 210
VÂNIA DE OLIVEIRA SOUZA 211
SUZANA DE ALMEIDA CAMPOS 213
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA VIII - Rua José Clemente, nº 17 - Centro - Niterói - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. BIOLOGIA
NATHALIA MOREIRA PACHECO 20
EDUCAÇÃO FÍSICA RENATO BARBOSA DE SOUZA 13

10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
INGRID SILVA RIOS PEREIRA 63
PRISCILLA RIDDELL MILLAR 64
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA X - Rua do Matoso, nº 254 - Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. BIOLOGIA
CAMILA DE ARAUJO TORRES 39
NATÁLIA PAULO BARREIRA 40

10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
VITOR LUPI MONTEIRO GARCIA 34
THIAGO GARCIA GOMES 35

INFORMÁTICA
JONAS MARQUES DA SILVA FILHO 5
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA XI - Rua Roberto Bedran, s/nº - Centro - São João de Meriti - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
BÁRBARA ARAÚJO LEITE 116
COORDENADORIA REGIONAL NORTE FLUMINENSE I - Rua 1º de maio, nº 09 - Centro - Campos dos Goytacazes - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
MARCIO PESSANHA 8
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA II - Av. Alencar Pires Barroso s/nº Olaria - Nova Friburgo - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. INGLÊS
ALAN REIS DA SILVA 5
SANIA DA SILVA GARCIA 6
RAQUEL SUEIRA SANTOS 7
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA III - Av. Barão do Rio Branco, nº 279 - Petrópolis - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. BIOLOGIA
PAULA MELLO PACHECO 15
LUCIANO RODRIGUES MATHIAS 16

10/11/10, ÀS 10:00 HS. DIREITO E LEGISLAÇÃO
BIANCA AMARANTE LOPES 3

10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
THAIS FELIX FIGUEIRA 28
JOSÉ LUIZ FERREIRA PIMENTEL 29
JANYELLEN DIAS DA SILVA 30

10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
VANDA REGINA DE CARVALHO 47
GABRIELA MACHADO 48
ANA CRISTINA PINHEIRO BRANDÃO 49
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA IV - Praça da Bandeira, nº 308 - Centro - Magé - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
LUCIANA GOMES RABELLO 63
VALÉRIA DE MELLO ABRAHÃO 64
SANDRA REGINA DE SOUZA GENAIO 65
NILDA OLINDA ROCHA DOS SANTOS 66
EDITAL
CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE I - 2008
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor [...] torna pública a convocação dos candidatos aprovados e classificados no Concurso Público, realizado em 2008, cujo resultado foi publicado no D.O. de 16/01/2009 e retificado no D.O. de 27/01/2009.
Os candidatos deverão comparecer no local, dia e hora fixados neste edital,[...]
Os candidatos considerados habilitados pela Equipe de Acompanhamento e Avaliação da Coordenadoria Regional serão encaminhados à Superintendência de Perícia Médica e Saúde Ocupacional - SPMSO/SESDEC, para exame médico admissional, [...]
Os candidatos que não comparecerem no prazo de 10 (dez) dias serão considerados faltosos, sob pena
de perda da vaga obtida no concurso.
Lista nominal dos convocados:
COORDENADORIA REGIONAL CENTRO SUL I - Rua Prefeito Joaquim José Ferreira (Antiga Rua Manoel Duarte), nº 81 - Centro - Três Rios - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
MAYNA DA SILVEIRA GOMIDE 1

10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
GABRIELLE PEREIRA FONTAINHA DE CARVALHO 25
COORDENADORIA REGIONAL CENTRO SUL II - Rua Barão de Vassouras, nº 133 - Vassouras - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. INGLÊS
LEIDE SEVERINA COSTA 2
JOSELENE GUEDES DE SOUZA 4
COORDENADORIA REGIONAL MÉDIO PARAÍBA I - Rua Antonio da Silva Brinco, nº 1068 - Oficinas Velhas - Barra do Piraí - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ZILA GRAÇA SILVESTRE 38
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA II Rua José Joaquim de Oliveira, s/nº - Paiva - São Gonçalo - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. CONTABILIDADE
PAULO SERGIO MORSE 1
ADRIANA DE SOUZA RODRIGUES 2
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA III - Rua Dias da Cruz, nº 638 - Méier - Rio de Janeiro - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. CONTABILIDADE CRISTIANNE
MARIA DE CARVALHO VENTURA 2
RICARDO LUÍS DA SILVA 3
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA IV - Rua Maria de Jesus Botelho, nº 100 - Campo Grande - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. BIOLOGIA
VALDENIR FREITAS BRANDÃO 67
LIANA STRECHT PEREIRA 68

10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
VIRGÍNIA PALMEIRA 79
ROBERTO CARVALHO DE FARIA 80
PAULA FERRAZ DA SILVA 81
WALLACE SANTOS MOREIRA 82
SANDRA CARDOSO GOMES 83
DANIEL GUSTAVO GONÇALVES BATISTA 85
VANESSA DE SOUZA RAMIRES 86

10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ROSE MEIRE CARDOSO SUDRÉ 214
MICHELE FERREIRA DA SILVA 215
JUSSARA BARRETO MORAES PINTO 216
CRISTIANE MARTINS DA SILVA 217
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA VIII - Rua José Clemente, nº 17 - Centro - Niterói - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. BIOLOGIA
ISAAC NEWTON SOARES DE PAIVA 21
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA XI - Rua Roberto Bedran, s/nº - Centro - São João de Meriti - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ELEISA FERREIRA DA SILVA PINTO 117
MARCOS COSTA DA SILVA 118
JACQUELINE DA CONCEIÇÃO MARIA 119
SIMONE ANDRADE DOS PASSOS PEREIRA 120
COORDENADORIA REGIONAL NOROESTE FLUMINENSE II - Rua Expedicionário Cabo Gama, s/nº - Cidade Nova -Itaperuna - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
ADRIANA RODRIGUES GOMES PACHECO 5
MARCELO DAMASCENO GOMES 6

MEIO AMBIENTE
ÁLVARO GOULART FULGENCIO 1
COORDENADORIA REGIONAL NOROESTE FLUMINENSE III - Av. Carvalho, nº 523 - Santa Tereza - Miracema - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ELKE DOS SANTOS GONÇALVES 24
EVELINE PADILHA POEYS 25
MONIQUE DA SILVA MOTA 26
COORDENADORIA REGIONAL NORTE FLUMINENSE I  - Rua 1º de maio, nº 09 - Centro - Campos dos Goytacazes - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
VICTOR HUGO PEREIRA FRANCO 2
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA I - Av. Presidente Vargas, nº 197 - Centro - Cordeiro - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
PATRICIA IZABEL FARIA 2
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA II - Av. Alencar Pires Barroso s/nº Olaria - Nova Friburgo - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. INGLÊS
THAIS LIMA LOPES 8
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA IV - Praça da Bandeira, nº 308 - Centro - Magé - RJ
10/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ROSILEA ALVES DE SOUSA 67

Informações podem ser encontradas no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro - PODER EXECUTIVO - páginas de 23 a 25.

Ferraz de Vasconcelos Resultado/Classificação Concurso 2010.

Meritum Concursos - Saiu finalmente a lista dos classificados no concurso 2010 para a Prefeitura Municipal de Ferraz de Vasconcelos.

Esse concurso teve início no começo do ano de  2010. Foram oferecidas oportunidades para diversos profissionais, entre os quais, professores e outros  profissionais da Educação.

Só semana passada (inicio de novembro de 2010) foi divulgado o resultado do concurso. As listagens com a classificação e os nomes dos aprovados, que foram publicados  no site da organizadora Meritum Concursos: http://www.meritumconcursos.com.br/ (consultado em 09/11/2010)

Material de estudo para concursos.

Para passar em concursos nada melhor do que refazer as provas anteriores, pois os erros e acertos mostram ao candidato o onde precisa rever matérias.

Encontramos um apanhado com apostilas e dezenas de provas anteriores que, se for bem aproveitado, pode dinamizar seus estudos, aumentando em muito as possibilidades de aprovação em concursos públicos para o magistério.

08/11/2010

A Justiça Federal do Ceará Suspendeu o ENEM 2010.

O MPF do Ceará conseguiu que a Justiça Federal suspendesse o ENEM 2010. O Ministro da Educação diz que vai entrar com recurso. Até a resposta desse recurso, o ENEM2010 está suspenso em todo o Brasil.

Atualização 21/01/2011 - Inscrição PROUNI 2011 -
A decisão é válida em todo o Território Nacional.

A juíza da 7ª Vara Federal, Karla de Almeida Miranda Maia aceitou a argumentação do Ministério Público Federal do Ceará e concedeu a liminar suspendendo o Exame Nacional do Ensino Médio.

O Ministro da Educação pode entrar com recurso. Isto é, neste momento o ENEM 2010 está suspenso e os milhões de estudantes que fizeram as  provas aguardam o desenrolar dos acontecimentos, já que o próximo ano letivo depende do resultado do ENEM.

Segundo o MEC, não haveria prejuizo para os estudantes por conta do Sistema TRI , ou sistema anti-chute do ENEM. Ainda segundo o MEC, esse sistema dá um menor peso às questões que o maior número de  pessoas acerta.

Não entendi muito bem como isso pode eliminar o prejuizo que os estudantes tiveram com as inúmeras falhas na aplicação da prova no sábado, dia 06 de novembro.

- Problemas nas  questões do Caderno de  Provas amarelo.
- Problemas no título dos gabaritos
- Problemas no endereço dos locais de Prova em alguns cartões de confirmação.

A juíza aceitou a argumentação do MPF de que os estudantes foram prejudicados por esses eventos.
Vamos esperar as próximas decisões da justiça e do MEC para saber como ficará a vida acadêmica de todas as  pessoas que contavam com o ENEM como forma de  ingresso nas faculdades em 20110, tanto pelo SISU quanto pelo PROUNI.

06/11/2010

Como foi o primeiro dia da prova do ENEM 2010?

Comentários sobre o primeiro dia da prova do ENEM 2010. Os estudantes já podem sair, porém ainda não podem levar a prova. Mas podem passar a opinião sobre como estava a prova.

O espaço está aberto para que você comente como foi a aplicação da  prova, se o trânsito estava engarrafado, se  foi fácil chegar ao local da prova, se  a prova estava muto fácil ou muito difícil, se as questões estavam muito extensas, a falta do relógio e do lápis dificultou alguma coisa... Conte-nos tudo.

Os meios de comunicação já divulgaram inúmeros casos que podem levar até mesmo à anulação da prova do ENEM 2010. 
- Erro no título do Cartão Resposta,
- Erro nas questões da Prova Amarela,
- Erro no endereço do Local de Prova impresso no Cartão de Confirmação da Inscrição.

O que você está achando de tudo isso?

Não se esqueça que esse espaço é lido por muita gente interessada em educação. A troca de  informações pode ser muito útil a todos.

Solte o verbo aí nos comentários!!! Como foi o seu primeiro dia de ENEM 2010????

GABARITO ENEM 2010.

O MEC e INEP informam que o gabarito oficial do ENEM 2010 cujas provas acontecem nos dias 06 e 07 de novembro, sairá no dia 09 de novembro.

Segundo o INEP, serão divulgados no dia 09 de novembro os gabaritos das duas provas. 

Este ano a prova apresentou algumas novidades, como o impedimento de os estudantes usarem relógio, lápis e borracha, além da aplicação de avaliação de uma língua estrangeira (inglês ou espanhol).

O ENEM serve, não só para quem deseja prosseguir os Estudos cursando uma faculdade, mas também para quem ainda não concluiu o Ensino Médio conseguir obter o Certificado de conclusão.

Os portões seriam fechados 5 minutos antes do início das provas. Foi assim no local em que você fez a prova?  a falta do relógio e do lápis atrapalhou de  alguma forma? Comente como foi a prova.

Assim que sair o gabarito, informaremos aqui.

ENEM 2010: relógio, lápis e borracha proibidos.

O Ministério Público do Espírito Santo tentou derrubar a proibição de os estudantes usarem o relógio, lápis e borracha na hora da prova do ENEM 2010. Mas não adiantou, o INEP não cedeu.

Quem for fazer o ENEM não poderá usar relógio de nenhuma espécie, nem lápis e borracha.  

Acredito que a falta do relógio será um motivo a mais de  ansiedade para os estudantes. A prova é extensa e controlar o tempo que está gastando nas  questões é um fator importante.

Ficar "no escuro", dependendo dos aplicadores da prova para informação do horário, certamente deixará os estudantes mais inseguros.

O lápis, ou melhor, a falta dele, será um outro fator de  insegurança para muitos estudantes, pois muitos deles se sentem mais à vontade usando o lápis, e só depois passando à caneta.

Na redação, muitos preferem usar o lápis, e depois "cobrem" com a  caneta, fazendo, então, os aceros finais. O que poupa tempo em comparação a fazer um rascunho e depois ter de reescrever tudo.

Ano passado eu fiz a prova, e realmente, me pareceu mais uma prova de  resistência física e psicológica do que uma prova que teste somente os conhecimentos. E esse ano, com essas novas restrições impostas pelo INEP, certamente a pressão no psicológicos dos estudantes será maior.

Muita calma e paciência na hora de  fazer a prova.
Boa sorte a todos que vão passar por essa  maratona ;)

05/11/2010

2007 Convocação Magistério - SEEDUC-RJ 04-11-2010.

Chamada para os professores aprovados no Concurso do Magistério Estadual da SEEDUC do RJ se apresentarem às Coordenadorias e tomarem posse de seus cargos.

A posse se dá após o processo de aferência dos documentos pessoais, dos documentos de habilitação para o cargo e exames médicos admissionais.

Há uma chamada para suprir a carência nas vagas dos professores convocados anteriormente, e que, por algum motivo não tomaram posse, e há também uma convocação para novas vagas.

As duas convocações para 2007 estão abaixo.
EDITAL
CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE I - 2007
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor e,[...] torna pública a convocação dos candidatos aprovados e classificados no
Concurso Público, realizado em 2007, cujo resultado foi publicado no D.O. de 18/02/2008, retificado no D.O. de 19/02/2008 em decorrência de vagas de eliminados.
Os candidatos deverão comparecer no local, dia e hora fixados neste
Edital, [...]
Os candidatos considerados habilitados pela Equipe de Acompanhamento e Avaliação da Coordenadoria Regional serão encaminhados à Superintendência de Perícia Médica e Saúde Ocupacional - SPMSO/SESDEC, para exame médico admissional,[...]
Os candidatos que não comparecerem no prazo de 10 (dez) dias serão considerados faltosos, sob pena de perda da vaga obtida no concurso.
No mesmo Diário Oficial, consta também uma listagem de docentes que, por diversos motivos,  não tomaram posse nas convocações anteriores.
COORDENADORIA REGIONAL BAIXADAS LITORÂNEAS II Rua Bernardo Vasconcellos, nº 505 - Centro - Araruama - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. HISTÓRIA
PAULO CESAR GONÇALVES DE CASTRO 71
MÁRCIO ALEXANDRE EMERICH DE MELO 72
RODRIGO MAIA SANTAROSSA 73
GILMAR ARAUJO ALVIM 74
COORDENADORIA REGIONAL CENTRO SUL II Rua Barão de Vassouras, nº 133 - Vassouras - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
MARIA LUIZA DELGADO DE MEDEIROS 21
COORDENADORIA REGIONAL MÉDIO PARAÍBA II - Rua São João, nº 651 - São João - Volta Redonda - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. ARTES
ENÉSIO FERNANDO PEREIRA DE SOUZA 47

DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
BIANCA MARINHO RIBEIRO 29
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA I Rua Profª Venina Correa Torres, nº 41 - Centro - Nova Iguaçu - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
SANDRA DA SILVA VIANA 109
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA III - Rua Dias da Cruz, nº 638 - Méier - Rio de Janeiro - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
MICHELE BATISTA FERREIRA 94
TATIANA ESTEVES MARTINS 95
KATIA LIMA ROZENDO 96
GISELE DE OLIVEIRA SILVA 97
MARCELA CORRÊA GALLOULCKYDIO 98

ESPANHOL
LUCIANA DOS SANTOS PEREIRA 69
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA IV - Rua Maria de Jesus Botelho, nº 100 - Campo Grande - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
MARIA DA CONCEICAO CUNHA E SILVA 42
VALDEIR PIRES BEZERRA 43
BIANCA MORAIS LEONIDIO 44
DANUSIA DIAS FONTOURA 45

ESPANHOL
LETÍCIA DE CASTRO GOMES 129
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA V Rua Maria Luiza Reis, s/nº - Parque Lafayete - Duque de Caxias - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
LUIS FERNANDO OLIVEIRA DE SOUSA 361

8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
MARIA MADALENA LEMES DA SILVA 51
ANA LUCIA SÁ DINIZ 52

EDUCAÇÃO FÍSICA
RODRIGO SARAIVA CASTANHEIRA 267

8/11/10, ÀS 10:00 HS. SOCIOLOGIA
ROSIMERE SIMAS BARBOSA 170
MONIQUE SANTOS RIBEIRO 171
NEIVA DE ALMEIDA SANTOS 172
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA VI Rua General Bocaiúva, nº 229 - Centro - Itaguaí - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
OLIVER ALEXANDRE DA F. COUTINHO PEREIRA 76

8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
LUSMAR MORAES BARBOZA 66
MARIA APARECIDA PEREIRA 67
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA VII - Rua Floripes Rocha, nº 690 a 692 - Lt 14 - 2º andar, salas 02, 03 e 04 - Belford Roxo - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. HISTÓRIA
MARCELO MARTINS MEDEIROS 202
COORDENADORIA REGIONAL NOROESTE FLUMINENSE I - Av. Gov. Roberto da Silveira, nº 578 - Centro - Bom Jesus de Itabapoana - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
LANDER LILIAN NEGREIROS DANIEL 25
LUZ MARINA MORAES DE OLIVEIRA 26
COORDENADORIA REGIONAL NORTE FLUMINENSE III - Av. Gov. Roberto Silveira, nº 237 - Barão de Macaúbas - São Fidélis - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
MARIA ANGÉLICA TERRA DE SIQUEIRA 43
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA I - Av. Presidente Vargas, nº 197 - Centro - Cordeiro - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
JOSIANE QUINDELER PEREIRA 43
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA V - Rua João Carmo, nº 200 - Centro - Rio Bonito - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. HISTÓRIA
ELZA DE OLIVEIRA BASTOS 67
EDITAL
CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE I - 2007
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor [...] torna pública a convocação dos candidatos aprovados e classificados no
Concurso Público, realizado em 2007, cujo resultado foi publicado no D.O. de 18/02/2008, retificado no D.O. de 19/02/2008.
Os candidatos deverão comparecer no local, dia e hora fixados neste
Edital, [...]
Os candidatos considerados habilitados pela Equipe de Acompanhamento e Avaliação da Coordenadoria Regional serão encaminhados à Superintendência de Perícia Médica e Saúde Ocupacional - SPMSO/ SESDEC, para exame médico admissional,[...]
Os candidatos que não comparecerem no prazo de 10 (dez) dias serão considerados faltosos, sob pena de perda da vaga obtida no concurso.
Confira a lista nominal dos convocados abaixo.
COORDENADORIA REGIONAL BAÍA DA ILHA GRANDE - Rua Coronel Carvalho, n° 230 A - Centro - Angra dos Reis - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
MARILENE LEMES CARVALHO 10
COORDENADORIA REGIONAL BAIXADAS LITORÂNEAS II - Rua Bernardo Vasconcellos, n° 505 - Centro - Araruama - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
MARLON OLIVEIRA DE SOUZA 31
ISABEL CRISTINA CUNHA FERREIRA 32
VERISSIMO MOREIRA DA SILVA FILHO 33

8/11/10, ÀS 10:00 HS. HISTÓRIA
PALOMA FERREIRA DA HORA SIAS 75
LUCIANO LUCIO NATALINO 76
RAFAEL NAVARRO COSTA 77
COORDENADORIA REGIONAL CENTRO SUL II - Rua Barão de Vassouras, nº133 - Vassouras - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
FABIANA QUEIROZ DORO DANTAS 22

8/11/10, ÀS 10:00 HS. ESPANHOL
ROSELENE TEIXEIRA DE MATOS 12
ESTER DIAZ BELLO 13
COORDENADORIA REGIONAL MÉDIO PARAÍBA I - Rua Antonio da Silva Brinco, nº 1068 - Oficinas Velhas - Barra do Piraí - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
SILMARA APARECIDA TRAJANO 27
COORDENADORIA REGIONAL MÉDIO PARAÍBA II - Rua São João, nº 651 - São João - Volta Redonda - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. INGLÊS ISIS HELENA BATISTA CORRÊA 88
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA I - Rua Profª Venina Correa Torres, nº 41 - Centro - Nova Iguaçu - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
LEANDRO FERREIRA CANUTO DA SILVA 333
CHARLES GOMES DE SOUZA 334
PAULO SERGIO BARBOSA DE SOUZA 335
ELAINE SILVA BOA MORTE 336

INFORMÁTICA
JOSÉ RONALDO TRAJANO 20

8/11/10, ÀS 10:00 HS. ESPANHOL
MICHELLE TATIANE OLIVEIRA DA SILVA PAULO 51
ESTER DA SILVA MACHADO AMARAL 52
LÚCIA MORADO FERREIRA 53
WALDEMBERG RODRIGUES GONÇALVES 54
LIDNES DA SILVA BARRETO FREIXIEIRO DO CO 55
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA II - Rua José Joaquim de Oliveira, s/nº - Paiva - São Gonçalo - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
ANTONELI DE FARIAS MATOS 40
LENI PORTO COSTA SIQUEIRA 41

8/11/10, ÀS 10:00 HS. INGLÊS
BRUNA MELRO FRANCO 152
JULIANA VICENTE BRANDÃO ARANTES 153
LUCIA FARIA CORTINES REIS 154
ANSELMO MORAES DE OLIVEIRA 155
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA III - Rua Dias da Cruz, nº 638 - Méier - Rio de Janeiro - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. ESPANHOL
ALESSANDRA MEDEIROS DAVID LOPES 70
ANA PAULA DA SILVA MACHADO 71
ALINE DE JESUS DE MELO 72
DEYSE LIMA DA ROCHA 73
VIVIANE SANCHES BONACORSE 74
VANESSA DOS SANTOS MIGLIANI RIBEIRO 75
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA IV - Rua Maria de Jesus Botelho, nº 100 - Campo Grande - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DIREITO E LEGISLAÇÃO
CASSIA VERONICA LOBATO DE LIMA 9

8/11/10, ÀS 10:00 HS. ESPANHOL
MARIA DA GLORIA VIEIRA DE OLIVEIRA 130
CRISTIANE CONCEIÇÃO PESSOA DO CARMO 131
FABIANA DA CONCEIÇÃO DOS SANTOS 132

8/11/10, ÀS 10:00 HS. INGLÊS
MARCO ANTONIO RAMOS CONDE 217
SANDRA HELENA SILVA DE SOUZA 218
MARIA MOREIRA MENDES 219
KATIA CRISTINA VANFFOSSEN 220
RAQUEL SILVA BARROS 221
CARLA JACQUELINE C. S. VIANNA PEREIRA 222
PRISCILA ANDRADE FERREIRA 223
MELISSA SILVA DO SACRAMENTO 224
CLAREANA GARCIA BRAGA DA SILVA 225
EMILSON ANTONIO SOARES 226
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA VI - Rua General Bocaiúva, nº 229 - Centro - Itaguaí - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
RANLIG CARVALHO DE MEDEIROS 77

8/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
SAULO DA SILVA MELLO 63

8/11/10, ÀS 10:00 HS. HISTÓRIA
CAROLINA CARDOSO VIANA 82
JOSUÉ PEREIRA DE CARVALHO JUNIOR 83
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA VII - Rua Floripes Rocha, nº 690 a 692 - Lt 14 - 2º andar, salas 02,03 e 04 - Belford Roxo - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
SUZANA BORGES AUGUSTO 127
ANDRÉ LACORTE SOARES 128
ANTONIO MARCOS DA SILVA 129
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA X - Rua do Matoso, nº 254 - Rio Comprido - Rio de Janeiro - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. FRANCÊS
ANA LETÍCIA LODI MARTELO 4
COORDENADORIA REGIONAL METROPOLITANA XI - Rua Roberto Bedran, s/n° - Centro - São João de Meriti - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
DAVID BEZERRA MAIA 82
ALESSANDRO LUCIEN DOS SANTOS GUZMÁN 83
ANTONIO PORFIRIO RAMOS FILHO 84
CATIA APARECIDA LIRA ALVES 85
HAROLDO GUALTER SANT´ANA 86

COORDENADORIA REGIONAL NOROESTE FLUMINENSE I - Av. Gov. Roberto da Silveira, nº 578 - Centro - Bom Jesus de Itabapoana - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
LEILA ALVES VARGAS 31
RAMIRIS PETRILHO SILVEIRA 32
MANUELLA MACHADO DE SOUSA 33
COORDENADORIA REGIONAL NOROESTE FLUMINENSE II - Rua Expedicionário Cabo Gama, s/n° - Cidade Nova -Itaperuna - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. LÍNGUA PORTUGUESA
ADMA SILVA OLIVEIRA SOUZA 20
COORDENADORIA REGIONAL NORTE FLUMINENSE I - Rua 1º de maio, nº 09 - Centro - Campos dos Goytacazes - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. CIÊNCIAS FÍSICAS E BIOLÓGICAS
NELMA BARBOSA DOS REIS 166
DÉBORA CARDOSO REZENDE DO NASCIMENTO 167
BEATRIZ NOGUEIRA GOMES 168
MARLENE BARCELOS PORTO PEDRA 169
RENATA NOGUEIRA RIBEIRO GOMES 170

8/11/10, ÀS 10:00 HS. ESPANHOL
ESTELA DEL VALLE AGUIRRE BUEXM 38
CRISTIANE DIAS DOS SANTOS MIRANDA 39
PATRÍCIA RIBEIRO DA SILVA 40
CÁTIA MARTINS DA SILVA 41
ALESSANDRA CAIXEIRO ONORIO 42
COORDENADORIA REGIONAL NORTE FLUMINENSE II - Rua Velho Campos, nº 479 - Centro - Macaé - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. DISCIPLINAS PEDAGÓGICAS
ADILANE DO NASCIMENTO SOUZA 28
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA I - Av. Presidente Vargas, nº 197 - Centro - Cordeiro - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. PSICOLOGIA
DAISY MAJELLA CAMPELLO 3
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA II - Av. Alencar Pires Barroso s/nº Olaria - Nova Friburgo - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
MICHELLE FERNANDES AGUALUZA 43
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA IV - Praça da Bandeira, nº 308 - Centro - Magé - RJ
8/11/10, ÀS 10:00 HS. EDUCAÇÃO FÍSICA
CAETANO MORENO PAUFERRO 79

Informações publicadas no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro - quinta-feira - 4 de novembro de 2010 - PODER EXECUTIVO - páginas de 21 a 23.

Concurso 2009 - professor SEEDUC RJ - Convocação 04-11-2010.

Chamada de professores aprovados para Educação Profissional, e um docente convocado para  Língua Estrangeira -  disciplina de Inglês - pelo concurso de 2009/2010.

A convocação desta vez foi mínima. Mas a fila está andando.
EDITAL
CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE I DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - 2009
O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor [...]  torna pública a convocação dos candidatos aprovados e classificados no
Concurso Público, realizado em 2009, cujo resultado foi publicado no D.O. de 23/03/2010, republicado parcialmente e retificado no D.O de 29/03/2010.
Os candidatos deverão comparecer no local, dia e hora fixados neste edital, [...]
Os candidatos considerados habilitados pela Equipe de Acompanhamento e Avaliação da Coordenadoria Regional serão encaminhados para realização de exame médico admissional, [...]
Os candidatos que não comparecerem no prazo de 10 (dez) dias serão considerados faltosos, sob pena de perda da vaga obtida no concurso.
COORDENADORIA REGIONAL NOROESTE FLUMINENSE I - Av. Gov. Roberto da Silveira, nº 578 - Centro - Bom Jesus de Itabapoana - RJ
BOM JESUS DO ITABAPOANA
8/11/2010, ÀS 10:00 H ADMINISTRAÇÃO
LETÍCIA MÉRIDA BORGES SALES 1º
COORDENADORIA REGIONAL NOROESTE FLUMINENSE II - Rua Expedicionário Cabo Gama, s/nº - Cidade Nova -Itaperuna - RJ
ITAPERUNA

8/11/2010, ÀS 10:00 H INFORMÁTICA
RONIEL NUNES DE SOUZA 2ª
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA II - Av. Alencar Pires Barroso s/nº Olaria - Nova Friburgo - RJ
NOVA FRIBURGO
8/11/2010, ÀS 10:00 H ADMINISTRAÇÃO
SOLANGE BANDEIRA DE AGUIAR 1ª
EDITAL
CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE I - 2009
*O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor [...] torna pública a convocação dos candidatos aprovados e classificados no
Concurso Público, realizado em 2009, cujo resultado foi publicado no D.O. de 23/03/2010, republicado parcialmente e retificado no D.O de 29/03/2010.
Os candidatos deverão comparecer no local, dia e hora fixados neste
Edital,[...]
Os candidatos considerados habilitados pela Equipe de Acompanhamento e Avaliação da Coordenadoria Regional serão encaminhados para realização de exame médico admissional,[...]
Os candidatos que não comparecerem no prazo de 10 (dez) dias serão considerados faltosos, sob pena de perda da vaga obtida no concurso.
Foi apenas um professor convocado.
COORDENADORIA REGIONAL SERRANA V Rua João Carmo, nº 200 - Centro - Rio Bonito - RJ
RIO BONITO
27/10/10, ÀS 10 HS INGLÊS
ANSELMO MORAES DE OLIVEIRA 8

Informações públicas no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro - PODER EXECUTIVO -  página 23 - quinta-feira - 4 de novembro de 2010 -

02/11/2010

Baixar provas anteriores.

O Concurso para o Magistério da Prefeitura de Duque de Caxias está próximo. Uma das formas de estudar e se preparar é treinando com provas antigas.


Você pode também conferir o conteúdo programático do concurso anterior, pois certamente não haverá muitas mudanças.

Segundo informações divulgadas pela Folha Dirigida, o Edital do concurso ainda não tem data definida para  divulgação. Confira os detalhes da  notícia.

Bons Estudos!!!


01/11/2010

Matrícula 2011 - Escolas Públicas de SP.

Quem deseja estudar em uma escola da Rede Pública de Ensino de São Paulo (Estadual ou Municipal) no ano letivo de 2011 deve fazer a matrícula antecipada.

Em setembro ocorreu a primeira fase da matrícula. Quem não fez, tem até o dia 12 de novembro para realizar a matrícula em uma das escolas da  rede.

Isso vale para as  escolas estaduais e dos municípios do interior de  SP - (o município da Capital de SP terá um cronograma específico).

Essa segunda etapa é destinada aos estudantes que ainda  não fazem parte da rede, inclusive quem deseja ingressar no EJA - Educação para Jovens e Adultos.

Para realizar a inscrição,  o responsável pelo estudante deverá  comparecer a uma unidade da rede estadual ou municipal, de preferência  a escola mais próxima a sua residência e fornecer as informações necessárias para o cadastro (nome, endereço de residência e contato).

O resultado das matrículas relativas às inscrições feitas neste período, informando a escola de destino à vaga, será divulgado a partir de 1º de dezembro.

As informações constam do site da Secretaria de  Educação do Estado de SP

Sem concurso fica difícil...

Uma historinha sobre o incentivo aos estudos... Recebi por e-mail e compartilho com vocês. Ria, se puder. 

O cara termina o segundo grau e não tem vontade de fazer uma faculdade.
O pai, meio mão de ferro, dá um apertão:
- Ahh, não quer estudar? Bem, perfeito! Vadio dentro de casa eu não mantenho. Então vai trabalhar!...
O velho, que tem muitos amigos, fala com um deles, que fala com outro, até que ele consegue uma audiência com um político que foi seu colega lá na época de muito tempo atrás:
- Rodriguez, meu velho amigo!... Tu te lembra do meu filho? Pois é! Terminou o segundo grau e anda meio à toa, não quer estudar...
Será que tu não consegue nada pro rapaz não ficar em casa vagabundeando?
Aos 3 dias, Rodriguez liga:
- Zé, já tenho! Assessor na Comissão de Saúde no Congresso, R$ 9.000,00 por mês, prá começar.
- Tu tá louco!!!!! O guri recém terminou o colégio, não vai querer estudar mais, consegue algo mais abaixo...
Dois dias depois:
- Zé! Secretário de um deputado, salário modesto, R$ 5.000,00, tá bom assim?
- Nãooooo, Rodriguez! Algo com um salário menor, eu quero que o guri tenha vontade de estudar depois....Consegue outra coisa.
- Olha Zé, a única coisa que eu posso conseguir é um carguinho de ajudante de arquivo, alguma coisa de informática, mas aí o salário é uma merreca, R$ 2.800,00 por mês e nada mais....
- Rodriguez, isso não, por favor, alguma coisa de 500, 600, prá começar.
- Isso é impossível, Zé!!!
- Mas, por que???
- PORQUE ESSES SÃO POR CONCURSO, PRA PROFESSOR, PRECISA TÍTULO SUPERIOR, MESTRADO ETC.... É DIFÍCIL...

Bibliografia da prova de Professores OFA 2010 - Estado de SP.

REFERENCIAIS BIBLIOGRÁFICOS para os professores que vão realizar a prova dos OFAs da Rede Estadual de  Ensino de São Paulo.

Atendendo à solicitação da  professora Gislaine, postada no Mural do blog, aqui está a bibliografia para a seleção.

Não se sabe ainda que dia será a prova, mas as inscrições foram feitas, e o D.O publicou Resolução SE 70, de 26-10-2010, que dispõe sobre os perfis profissionais, competências e habilidades requeridos dos educadores da rede pública estadual e os referenciais bibliográficos que fundamentam os exames, concursos e processos seletivos.
De: Gislaine em 31/10/2010 18:21
Para: Raquel
Olá estou cheia de dúvidas. Haverá realmente a provinha dos OFAS? E a bibliografia? Onde encontrar? Obrigada.Bj buahh
PROFESSOR PEB-I - ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS  (1º AO 5º ANO)

Livros e Artigos para o Professor PEB-I
1. CAVALCANTI, Zelia; MARINCEK, Vania. Aprender matemática resolvendo problemas. Porto Alegre: Artmed, 2001. (Cadernos da Escola da Vila, 5)
2. COLL, César et al. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 2006.
3. COLOMER, Tereza; CAMPOS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. São Paulo: Artmed, 2002.
4. DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros  Orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.
5. FERREIRO, Emília. Com todas as letras. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
6. FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. 25. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
7. FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2006.
8. GERALDI, J. W. Linguagem e Ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas: Mercado de Letras, 1996.
9. LA TAILLE, Yves et alii. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.
10. LERNER, Delia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.
11. LERNER, D.; SADOVSKY, P. O sistema de numeração: um problema didático. In: PARRA, Cecília (Org.). Didática da Matemática: Reflexões Psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 73-155.
12. SCHNEUWLY, Bernard. Palavra e ficcionalização: Um caminho para o ensino da linguagem oral. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros Orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.
13. SMOLKA, Ana Luíza Bustamante. A criança na fase inicial da escrita. Alfabetização como processo discursivo. 11. ed. São Paulo: Cortez; Campinas: UNICAMP, 2003.
14. SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed, 1998.
15. TEBEROSKY, Ana; COLOMER, Teresa. Aprender a Ler e a Escrever: uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2002.
16. VYGOTSKY, L.S. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
17. WEISZ, Telma. O Diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.

Publicações Institucionais e Legais para o Professor PEB-I
 PROGRAMA LER E ESCREVER – Documentos disponibilizados no site do Ler e Escrever: Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

1. Orientações Curriculares do Estado de São Paulo: Língua Portuguesa e Matemática – Ciclo I. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. RESOLUÇÃO SE Nº 86/2007, de 19/12/2007 – Institui, para o ano de 2008, o Programa “Ler e Escrever”, no Ciclo I das Escolas Estaduais de Ensino Fundamental das Diretorias de - Ensino da Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande Paulo. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. RESOLUÇÃO SE Nº 96/2008, de 23/12/2008 – Estende o Programa “Ler e Escrever”para as Escolas Estaduais de Ensino Fundamental do Interior. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. LISTA DOS MATERIAIS DO LER E ESCREVER. Disponíveis em: . Acesso em: 25 out. 2010.
* Guia de Planejamento e Orientações Didáticas do Professor Alfabetizador – 1ª série – volume 1 e 2.
* Caderno de Planejamento e Avaliação do Professor Alfabetizador – 1ª série.
* Guia de Planejamento e Orientações Didáticas – 2ª série – volume 1 e 2.
* Guia de Planejamento e Orientações Didáticas – 3ª série – volume 1 e 2.
* Material do Professor – Programa Intensivo no Ciclo (PIC) 3ª série – volume 1 e 2.
* Guia de Planejamento e Orientações Didáticas – 4ª série – volume único.
* Material do Professor - Programa Intensivo no Ciclo (PIC) 4ª série – volume 1, 2 e 3.

; BOLSA  ALFABETIZAÇÃO. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. DECRETO Nº 51.627, de 01/03/2007 - Institui o Programa “Bolsa Formação – Escola Pública e Universidade”. Disponível  em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. RESOLUÇÃO SE Nº 90/2008, de 8-12-2008 - Dispõe sobre a expansão e aperfeiçoamento do Projeto Bolsa Escola Pública e Universidade na Alfabetização. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2010.
7. RESOLUÇÃO SE Nº 91/2008, de 8-12-2008 - Dispõe sobre constituição de equipe de gestão institucional para ampliação e aperfeiçoamento do Projeto Bolsa Escola Pública e Universidade
na Alfabetização, no âmbito do Programa Bolsa Formação – Escola Pública e Universidade. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

PROFESSOR PEB-II - ENSINO FUNDAMENTAL ANOS FINAIS (6º AO 9º ANO) E/OU ENSINO MÉDIO

Bibliografia: Comum a todas as áreas
Livros e Artigos comuns a todas às áreas
1. BEAUDOIN, M.-N.; TAYLOR, M. Bullying e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola. Porto Alegre: Artmed, 2006.
2. CASTRO, Maria Helena Guimarães de. Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.14, n. 1, p.121-128, 2000. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. CHRISPINO, Álvaro. Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 15, n. 54, p. 11-28, jan./mar. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. COLL, César et al. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 2006.
5. CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.
6. DELORS, Jacques et al. Educação: um tesouro a descobrir. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2010.
7. EDUCAR PARA CRESCER. Por dentro do IDEB: o que é o Índice de Desenvolv. da Educação Básica? Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
8. HARGREAVES, Andy. O ensino na sociedade do conhecimento: educação na era da insegurança. Porto Alegre: Artmed, 2004.
9. HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2001.
10. LERNER, Délia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.
11. MARZANO, Robert J.; PICKERING, Debra J.; POLLOCK, Jane E. O ensino que funciona: estratégias baseadas em evidências para melhorar o desempenho dos alunos. Porto Alegre: Artmed, 2008.
12. PERRENOUD, Philippe. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.
13. RIOS, Terezinha Azerêdo. Compreender e Ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2005.
14. TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.
15. VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação da Aprendizagem: práticas de mudança: por uma praxis transformadora. 9. ed. São Paulo: Libertad, 2008.

Documentos comuns a todas às áreas
1. BRASIL. MEC. DCNs do Ensino Fundamental. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. BRASIL. MEC. DCNs do Ensino Médio - Parecer 15/98. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio: documento de apresentação. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Matrizes de referência para avaliação: documento básico; SARESP. São Paulo: SEE, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2008. v. 1. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2008. v. 2. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2008. v. 3. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
8. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2009. v.1. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
9. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2009. v. 2. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
10. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2009. v. 3. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
11. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Programa de qualidade da escola: nota técnica. São Paulo: SE, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Legislação comum a todas às áreas
1. LEI FEDERAL Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996
- Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional - (Alterada pelas Leis nºs 9.475/97; 10.287/01; 10.328/01; 10.639/03; 10.709/03; 10.793/03; 11.114/05; 11.183/05; 11.274/06; 11.301/06; 11.330/06; 11.331/06; 11.525/07; 11.632/07; 11.645/08; 11.684/08; 11.700/08; 11.741/08; 11.769/08; 11.788/08; 12.013/09; 12.014/09; 12.020/09; 12.056/09 e 12.061/09). Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. LEI COMPLEMENTAR N.º 1.078, de 17 de dezembro de 2008 - Institui Bonificação por Resultados – BR, no âmbito da Secretaria da Educação, e dá providências correlatas. Disponível
em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. LEI COMPLEMENTAR N.º 1.097, de 27 de outubro de 2009 - Institui o Sistema de Promoção para os integrantes do Quadro do Magistério na Secretaria da Educação e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. DELIBERAÇÃO CEE nº 9/97 e Indicação CEE nº 8/97 - Institui, no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, o Regime de Progressão Continuada no Ensino Fundamental. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2010.
5. PARECER CEE nº 67/1998 - Normas Regimentais Básicas para as Escolas Estaduais. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. RESOLUÇÃO SE N.º 92/2009, de 8 de dezembro de 2009. Dispõe sobre estudos de recuperação aos alunos do ciclo I do ensino fundamental das escolas da rede pública estadual. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. INSTRUÇÃO CENP N.º 1/2010, de 11 de janeiro de 2010.
Dispõe sobre o processo de recuperação de estudos de alunos do Ciclo II do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, nas escolas da rede estadual de ensino. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Língua Portuguesa
Livros e Artigos para Língua Portuguesa
1. BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.
2. BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 46. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.
3. CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 11. ed. São Paulo: Ouro sobre Azul, 2010.
4. COLOMER, Teresa; CAMPS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. Porto Alegre: Artmed, 2002.
5. EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins, 2006.
6. FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: UNB, 2008.
7. KLEIMAN, Ângela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 12. ed. Campinas: Pontes, 2008.
8. KOCH, Ingedore G. Villaça. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2008.
9. MARCUSCHI, Luiz Antônio: da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2007.
10. MARTINS, Nilce Sant’anna. Introdução à estilística: a expressividade na Língua Portuguesa. São Paulo: EDUSP, 2008.
11. MOISES, Massaud. A literatura portuguesa. 36. ed. São Paulo: Cultrix, 2009.
12. NOLL, Volker. O português brasileiro: formação e contrastes. São Paulo: Globo, 2008.
13. SCHNEUWLY, Bernard et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.
14. SOUZA, Mauro Wilton de (org.). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995.

Documentos para Língua Portuguesa
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Língua Portuguesa para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Arte
Livros e Artigos para Arte
1. ALMEIDA, Berenice; PUCCI, Magda. Outras terras, outros sons. São Paulo: Callis, 2003.
2. BARBOSA, Ana Mae. Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2007.
3. BERTHOLT, Margot. História Mundial do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2004.
4. OLIVEIRA, Marilda Oliveira de (org). Arte, educação e cultura. Santa Maria: UFSM, 2007.
5. OSTROWER, Fayga. Universos da arte. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
6. PAVIS, Patrice. A análise dos espetáculos. São Paulo: Perspectiva, 2008.
7. PILLAR, Analice Dutra (Org.). A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação, 1999.
8. PUPO, Maria Lúcia de Souza Barros. Entre o Mediterrâneo e o Atlântico: uma aventura teatral. São Paulo: Perspectiva, 2005.
9. SALLES, Cecília Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artística. São Paulo: Annablume, 2007.
10. SANTAELLA, Lúcia. O que é cultura. In: ______. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003, p. 29-49.
11. SANTOS, Inaicyra Falcão dos. Corpo e ancestralidade: uma proposta pluricultural de dança, arte, educação. São Paulo: Terceira Margem, 2006.
12. SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2003.
13. SPOLIN, Viola. Jogos teatrais na sala de aula. São Paulo: Perspectiva, 2008.
14. VERTAMATTI, Leila Rosa Gonçalves. Ampliando o repertório do coro infanto-juvenil: um estudo de repertório inserido em uma nova estética. São Paulo: UNESP, 2008.

Documentos para Arte
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Programa Cultura é Currículo. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Arte para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008.
Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Educação Física
Livros e Artigos para Educação Física
1. BETTI, M. Imagem e ação: a televisão e a Educação Física escolar. In: ______ (Org.) Educação Física e mídia: novos olhares, outras práticas. São Paulo: Hucitec, 2003.
2. BORGES, C. L. A formação de docentes de Educação Física e seus saberes profissionais. In: BORGES, C. L.; DESBIENS, J. F. (Org.). Saber, formar e intervir para uma Educação Física em mudança. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 157-190.
3. GOELLNER, S. V. A produção cultural do corpo. In: LOURO, G. L.; NECKEL, J. F. e GOELLNER, S. V. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003.
4. GUEDES, D. P. Educação para a saúde mediante programas de Educação Física escolar. Motriz: Revista de Educação Física. Rio Claro, v. 5, n. 1, p. 10-14, jun. 1999. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1997.
6. LOMAKINE, L. Fazer, conhecer, interpretar e apreciar: a dança no contexto da escola. In: SCARPATO, M (Org.). Educação Física: como planejar as aulas na educação básica. São Paulo:
Avercamp, 2007, p. 39-57.
7. MARCELLINO, N. C. Lazer e Educação Física. In: DE MARCO, A. (Org.) Educação Física: cultura e sociedade. Campinas: Papirus, 2006.
8. NASCIMENTO, P. R. B.; ALMEIDA, L. A tematização das lutas na Educação Física escolar: restrições e possibilidades. Movimento: revista da Escola de Educação Física, Porto Alegre,
v.13, n.3, p. 91-110, set./dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
9. PAES, R. R. A pedagogia do esporte e os jogos coletivos. In: ROSE JÚNIOR, D. Esporte e atividade física na infância e na adolescência: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre:
Artmed, 2009.
10. PALMA, A. Atividade física, processo saúde-doença e condições sócio-econômicas. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 97-106, 2000. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2010.
11. RAMOS, V.; GRAÇA, A. B. S; NASCIMENTO, J. V. O conhecimento pedagógico do conteúdo: estrutura e implicações à formação em educação física. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.22, n. 2, p. 161-171, abr./jun., 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
12. SCHIAVON, L. M.; NISTA-PICOLLO, Vilma L. Desafios da ginástica na escola. In: MOREIRA, E. C. (Org.). Educação Física escolar: desafios e propostas 2. Jundiaí: Fontoura, 2006, p.35-60.
13. SOARES, C. L. (Org.) Corpo e história. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2006.
14. SOUSA, E. S.; ALTMAN, H. Meninos e meninas: expectativas corporais e implicações na Educação Física escolar. Cadernos Cedes, Campinas, v. 19, n. 48, p. 52-68, 1999. Disponível
em: . Acesso em: 25 out. 2010.
15. STIGGER, M. P. Educação Física, esporte e diversidade. Campinas: Autores Associados, 2005.

Documentos para Educação Física
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Escola de tempo integral: oficinas curriculares de atividades esportivas e motoras; esporte, ginástica, jogo – ciclos I e II. São Paulo: SEE/CENP, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Educação Física para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna - Inglês
Livros e Artigos para Língua Estrangeira Moderna - Inglês
1. BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 7. n. 2. p. 109-138, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. BRAIT, Beth (org). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.
3. CASTRO, S. T. R. Teoria e prática na reconstrução da concepção de linguagem de professores de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 83-94, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. CELANI, M. A. A. (org.). Professores e formadores em mudança: relato de um processo de reflexão e transformação da prática docente. Campinas, Mercado de Letras, 2003.
5. COPE, B.; KALANTZIS, M.. Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000.
6. GEE, J. P. Situated Language and Learning: a critique of traditional schooling. London, Routdlege, 2004.
7. GRADDOL, D. English Next. UK: British Council, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
8. KERN, R. Literacy and language teaching. Oxford: Oxford University Press, 2000.
9. McCRUM, R.; MACNEIL, R.; CRAM, W. The Story o English. 3. ed. New York: Penguin, 2003.
10. NUNAN, D. Task based language teaching. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.
11. PENNYCOOK, A. Global Englishes and Transcultural Flows. New York: Routledge, 2007.
12. RICHARDS, J. C.; RENANDYA, W. A. (Ed.). Methodology in language teaching: an anthology of current practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.
13. SMITH, Frank. Compreendendo a leitura. Porto Alegre: Artmed, 2003.
14. SWAN, M. Practical English Usage. Oxford: Oxford University Press, 2005.
15. UR, Penny. A course in language teaching. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

Documentos para Língua Estrangeira Moderna - Inglês
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Língua Estrangeira Moderna para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna - Espanhol
Livros e Artigos para Língua Estrangeira Moderna – Espanhol
1. ALVARES, M. N. et al. Valores e temas transversais no currículo. Porto Alegre: Artmed, 2002.
2. BARALO, M. La adquisición del español como lengua extranjera. Madrid: Arco Libros, 2004.
3. BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 7. n. 2. p. 109-138, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. BUSTO, Natalia Barrallo. BEDOYA, María Gómez. La explotación de una imagen en la clase de E/LE. In: redELE, n.16, julio 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. CARRICABURO, Norma. La América tuteante. In: ______. Las fórmulas de tratamiento en el español actual. Madrid: Arco Libros, 1997, p. 20-23.
6. CASTRO, S. T. R. “Teoria e prática na reconstrução da concepção de linguagem de professores de línguas”. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 83-94, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. CELADA, M. T; GONZÁLEZ, N. T. M. “Los estudios de lengua española en Brasil”. In: ANUARIO DE ESTUDIOS HISPÁNICOS, 10., 2000. Suplemento “El hispanismo en Brasil”. Brasília: Consejería de Educación y Ciencia de la Embajada de España en Brasil, 2001. Disponível em: ou . Acesso em: 25 out. 2010.
8. CELADA, María Teresa; GONZÁLEZ, Neide Maia (Coord.).
“Gestos que trazan distinciones entre la lengua española y el portugués brasileño”. Dossier completo. SIGNOS ELE, dezembro 2008, Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
9. ERES FERNÁNDEZ, I. G. M. “Las variantes del español en la nueva década: ¿todavía un problema para el profesor del español a lusohablantes?” Registros de la lengua y lenguajes específicos. São Paulo: Embajada de España en Brasil/Consejería de Educación y Ciencia, 2001. Disponível em: .
Acesso em: 25 out. 2010.
10. FANJUL, Adrián. “Ecos de mercado en docentes-alumnos de E/LE en Brasil. Repeticiones y ausencias”. SIGNOS ELE, abril de 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
11. FREGOLENTE, Rosângela Aparecida. Dicionários Bilíngües Espanhol/Português – Português/ Espanhol: uma confrontação para o ensino de línguas. Letras & Letras, Uberlândia, v. 20, n. 1, p. 197-210, jan./jun. 2004. Disponível em: . Acesso em:
25 out. 2010.
12. KULIKOWSKI, María Zulma Moriondo; GONZÁLEZ, Neide T. Maia. Español para brasileños. Sobre por dónde determinar la justa medida de una cercanía. En: Anuario brasileño de estudios
hispánicos, 9, 1999, pp.11-19. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
13. MATTE BON, Francisco. Gramática comunicativa del español: de la lengua a la Idea. Madrid: Edelsa, 1995. 2 t.
14. SADER, Emir et al. (Coord.). Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. São Paulo: Boitempo, 2006.
15. SIGNORINI, I. (Org.) Língua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicada. 4. ed. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: FAPESP, 2006.
16. VÁZQUEZ, G. ¿Errores? ¡Sin falta!. Madrid: Edelsa, 1999.
17. VEZ, J. M. Fundamentos lingüísticos en la enseñanza de lenguas extranjeras. Barcelona: Ariel, 2000.

Documentos para Língua Estrangeira Moderna – Espanhol
1. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília, 1998. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília, 1998. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: Língua Estrangeira. Brasília, 1998. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros
Curriculares Nacionais. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 1999. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Programa de Desenvolvimento Profissional Continuado: parâmetros em ação primeiro e segundo ciclos do
ensino fundamental (1ª a 4ª séries). Brasília, 1999. Disponível
em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: , 2006. Disponível
em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Matemática
Livros e Artigos para Matemática
1. BOYER, Carl B. História da matemática. 3. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2010.
2. COURANT, Richard; ROBBINS, Herbert. O que é matemática? Uma abordagem elementar de métodos e conceitos. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2000.
3. CAZORLA, Irene; SANTANA, Eurivalda (Org.). Do tratamento da informação ao letramento estatístico. Itabuna: Via Litterarum, 2010. Parte 3.
4. DEVLIN, Keith. O gene da matemática: o talento para lidar com números e a evolução do pensamento matemático. Rio de Janeiro: Record, 2004.
5. EGAN, Kieran. A mente educada: os males da educação e a ineficiência educacional das escolas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
6. EVES, Howard. Introdução à história da Matemática. Campinas: UNICAMP, 2004.
7. GARBI, Gilberto G. A rainha das ciências: um passeio histórico pelo maravilhoso mundo da Matemática. 2. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2007.
8. IFRAH, Georges. Os números: a história de uma grande invenção. 5. ed. Rio de Janeiro: Globo, 1992.
9. LIMA, Elon Lages et al. A matemática do Ensino Médio. Rio de Janeiro: SBM, 1999. v. 1, 2, 3 (Coleção do Professor de Matemática).
10. LOJKINE, Jean. A revolução informacional. São Paulo: Cortez, 1995.
11. MLODINOW, Leonard. A janela de Euclides. A história da geometria, das linhas paralelas ao hiperespaço. São Paulo: Geração Editorial, 2004.
12. MOLES, Abraham. A criação científica. São Paulo: Perspectiva, 1998.
13. SATOY, Marcus Du. A música dos números primos: a história de um problema não resolvido na matemática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

Documentos para Matemática
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Matemática para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Ciências
Livros e Artigos para Ciências
1. AMBROGI, A.; LISBOA, J. C. F. Química para o magistério. São Paulo: Harbra, 1995.
2. ATKINS, P.; LORETTA, J. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
3. BOUER, J. Sexo ; Cia: as dúvidas mais comuns (e as mais estranhas) que rolam na adolescência. 2. ed. São Paulo: Publifolha, 2002.
4. CACHAPUZ, A; CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. A necessária renovação do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 2005.
5. CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências. São Paulo: Cortez, 2003. (Questões da Nossa Época, 26).
6. CARVALHO, Isabel C. M., Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2008. cap. 1, 3 e 5.
7. CEBRID – Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. Livreto informativo sobre drogas psicotrópicas. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
8. DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.
9. FRIAÇA, A. C. S. et al. (Orgs.) Astronomia: uma visão geral do universo. São Paulo: EDUSP, 2000.
10. GRIFFITHS, A .J. F. et al. Introdução à Genética. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. cap. 1 a 17, 19.
11. GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA. Física. 5 ed. São Paulo: EDUSP, 2001/2005. v. 1, 2 e 3.
12. KORMONDY, E. J.; BROWN, D. E. Ecologia humana. São Paulo: Atheneu, 2002. cap. 1, 4, 5, 9 e 10.
13. MARGULIS, L.; SCHWARTZ, K. V. Cinco reinos: um guia ilustrado dos filos da vida na Terra. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.
14. OKUNO, E. Radiação: efeitos, riscos e benefícios. São Paulo: Harbra, 1998.
15. RIDLEY, M. Evolução. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
16. TEIXEIRA, W. et al. (Org.). Decifrando a Terra. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009.
17. TORTORA, G. J. Corpo Humano: fundamentos de anatomia e fisiologia. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
18. UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Grupo Interdepartamental de Pesquisa sobre Educação em Ciências. Geração e gerenciamento dos resíduos sólidos provenientes das atividades humanas. 2. ed. rev. Ijuí: Unijuí, 2003. (Situação de estudo: ciências no ensin fundamental, 1). Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Documentos para Ciências
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Ciências para o Ensino Fundamental Ciclo II. São Paulo: SE, 2008. Disponível
em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Física
Livros e Artigos para Física
1. AMALDI, Ugo. Imagens da física: as idéias e as experiências do pêndulo aos quarks. São Paulo: Scipione, 2007.
2. AZEVEDO, Maria Cristina P. S. de. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Thomson, 2005. p. 19-33.
3. BEN-DOV, Yoav. Convite à Física. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.
4. BERMANN, Célio. Energia no Brasil: para quê? Para quem? Crise e alternativas para um país sustentável. 2. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2003.
5. CACHAPUZ, Antonio et al. A necessária renovação do ensino das Ciências. São Paulo: Cortez, 2005.
6. CHAVES, Alaor S.; VALADARES, Eduardo C.; ALVES, Esdras G. Aplicações da Física Quântica: do transistor à nanotecnologia. São Paulo: Livraria da Física. 2005. (Temas Atuais de Física/SBF).
7. DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André; PERNAMBUCO, Marta Maria. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2009.
8. EINSTEIN, Albert; INFELD, Leopold. A evolução da Física. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2008.
9. FEYNMAN, Richard. Física em 12 lições. 2. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2009.
10. FRIAÇA, Amâncio C. S. (Org.). Astronomia: uma visão geral do universo. São Paulo: EDUSP, 2002.
11. GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA . Física. São Paulo: EDUSP, 2001/2005. v. 1, 2 e 3.
12. HEWITT, Paul G. Física conceitual. 9. ed. São Paulo: Bookman, 2002.
13. OKUNO, E. Radiação: efeitos, riscos e benefícios. São Paulo: Harbra, 1998.
14. RESNICK, Robert; HALLIDAY, David; WALKER, Jearl. Fundamentos de física. 8. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2009. v. 1, 2, 3 e 4.
15. ROCHA, José Fernando. Origens e evolução das idéias da Física. Salvador: EDUFBA, 2002.

Documentos para Física
1. BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais; Ciências da Natureza,
Matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Física para o Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Química
Livros e Artigos para Química
1. ATKINS, Peter; JONES, Loretta. Princípios de Química: Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
2. CANTO, E. L. Minerais, minérios, metais: de onde vêm? para onde vão? 2. ed. São Paulo: Moderna, 2010.
3. CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? Tradução de R. Fifer. São Paulo: Brasiliense, 2009.
4. CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Unijuí, 2010.
5. GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO QUÍMICA. Interações e Transformações: química para o Ensino Médio. São Paulo: EDUSP, 1995/2007. livros I, II. Guia do professor, Livro do aluno.
6. GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO QUÍMICA. Interações e Transformações: química e a sobrevivência, atmosfera, fonte de materiais. São Paulo: EDUSP, 1998.
7. KOTZ, J. C.; TREICHELJ JR, P. M. Química geral e reações químicas. São Paulo: Thomson, 2005/2010. v. 1 e 2.
8. LENZI, Ervim; FAVERO, Luzia Otilia Bortotti. Introdução à Química da Atmosfera: Ciência, vida e sobrevivência. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2009.
9. MARZZOCO, A.T.; TORRES, B.B. Bioquímica básica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
10. PESSOA de CARVALHO, A. M.; GIL-PEREZ, D. Formação de professores de ciências. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2009. (Questões da nossa época, 26).
11. QUÍMICA NOVA NA ESCOLA. São Paulo: Sociedade Brasileira de Química, cadernos temáticos n. 1, 2, 3, 4, 5 e 7. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
12. ROCHA, J. C.; ROSA, A. H.; CARDOSO, A. A. Introdução à química ambiental. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.
13. SOLOMONS, T. W. G. Química Orgânica. Rio de janeiro: LTC, 2009. v. 1 e 2.
14. ZANON, L. B.; MALDANER, o A. (Orgs). Fundamentos e propostas de ensino de Química para a Educação Básica no Brasil. Ijuí: Unijuí, 2007.

Documentos para Química
1. BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ ensino médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais; ciências da natureza,
matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. CENP. Oficinas temáticas no ensino público: formação continuada de professores. São Paulo: SE/CENP, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Química para o Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Biologia
Livros e Artigos para Biologia
1. ALBERTS, B.; et al. Fundamentos da biologia celular. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. cap. 1, 4, 6, 7, 8, 10 a 19. 2. BOUER, J. Sexo &; Cia: as dúvidas mais comuns (e as mais estranhas) que rolam na adolescência. 2. ed. São Paulo: Publifolha, 2002.
3. CARVALHO F.H; PIMENTEL S. M. R. A célula. Barueri: Manole, 2007.
4. CARVALHO, Isabel C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008. cap. 1, 3 e 5.
5. DEAN, W. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira, São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
6. GRIFFITHS, A.J. F. et al. Introdução à Genética. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. cap. 1 a 17, 19.
7. HICKMAN JR., Cleveland P.; ROBERTS, L. S.; LARSON, Allan. Princípios Integrados de Zoologia. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.
8. KORMONDY, E. J.; BROWN, D. E. Ecologia humana. São Paulo: Atheneu, 2002.
9. KRASILCHIK, M. Prática de ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2008.
10. MARGULIS, L.; SCHWARTZ, K. V. Cinco reinos: um guia ilustrado dos filos da vida na Terra. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.
11. RAVEN, P. H.; EVERT R. F.; EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. Seções 4, 5, 6 e 7.
12. RIDLEY, M. Evolução. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
13. SCHMIDT-NIELSEN, K. Fisiologia Animal: adaptação e meio ambiente. 5. ed. São Paulo: Livraria Santos, 2002.
14. SENE, F. M. Cada caso, um caso... puro acaso: os processos de evolução biológica dos seres vivos. Ribeirão Preto: SBG, 2009.
15. TORTORA, G. J. Corpo humano: fundamentos de anatomia e fisiologia. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

Documentos para Biologia
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Biologia para o Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: História
Livros e Artigos para História
1. BITENCOURT, Circe Maria F. (org.). O saber histórico na sala de aula. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1998.
2. BITTENCOURT, Circe Maria F. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2005
3. BLOCH, Marc. Apologia da História ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.
4. BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro:
Jorge Zahar, 2005.
5. FAUSTO, Boris. História do Brasil. 13. ed. São Paulo: EDUSP, 2008.
6. FERRO, Marc. A manipulação da história no ensino e nos meios de comunicação. A história dos dominados em todo o mundo. São Paulo: IBRASA, 1983.
7. FONSECA, Selva G. Caminhos da História Ensinada. Campinas: Papirus, 2009.
8. FONSECA, Selva G. Didática e Prática de Ensino de História. Campinas: Papirus, 2005.
9. FUNARI, Pedro Paulo; SILVA, Glaydson José da. Teoria da História. São Paulo: Brasiliense, 2008.
10. HERNANDEZ, Leila Leite. África na sala de aula: visita à história contemporânea. 3. ed. São Paulo: Selo Negro, 2010.
11. HEYWOOD, Linda M. (Org.). Diáspora negra no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.
12. KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2008.
13. LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: UNICAMP, 2003. cap. “Memória”, “Documento/monumento”, “História”, “Passado/presente”.
14. PINSKY, Carla Bassanezi (Org.). Novos temas nas aulas de história. São Paulo: Contexto, 2009.
15. SOUZA, Marina de Melo. África e o Brasil Africano. 2. ed. São Paulo: Ática, 2007.

Documentos para História
1. BRASIL, MEC/INEP. ENCCEJA. História e geografia, ciências humanas e suas tecnologias: livro do professor – ensino fundamental e médio. Brasília: MEC/INEP, 2002. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. BRASIL. MEC/SEB. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências Humanas e suas Tecnologias; História. Brasília, MEC/SEB, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de História para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Geografia
Livros e Artigos para Geografia
1. AB’SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 6. ed. São Paulo: Ateliê, 2010.
2. CASTELLS, Manuel. A Galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
3. CASTROGIOVANNI, A. Carlos; CALLAI, Helena; KAERCHER, Nestor André. Ensino de Geografia: práticas e textualizaçõe no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2001.
4. DURAND, Marie-Françoise et. al. Atlas da Mundialização: compreender o espaço mundial contemporâneo. Tradução de Carlos Roberto Sanchez Milani. São Paulo: Saraiva, 2009.
5. ELIAS, Denise. Globalização e Agricultura. São Paulo: EDUSP, 2003.
6. GUERRA, José Teixeira; COELHO Maria Célia Nunes. Unidades de Conservação: abordagens e características geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.
7. HAESBAERT, Rogério; PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A nova des-ordem mundial. São Paulo: UNESP, 2006.
8. HUERTAS, Daniel Monteiro. Da fachada atlântica à imensidão amazônica: fronteira agrícola e integração territorial. São Paulo: Annablume, 2009.
9. MAGNOLI, Demétrio. Relações Internacionais: teoria e história. São Paulo: Saraiva, 2004.
10. MARTINELLI, Marcello. Mapas da Geografia e da Cartografia Temática. São Paulo: Contexto, 2003.
11. SALGADO-LABOURIAU, Maria Léa. História ecológica da Terra. São Paulo: Edgard Blucher, 1996.
12. SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização. Rio de Janeiro: Record, 2004.
13. SOUZA, Marcelo Lopes. O ABC do Desenvolvimento Urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
14. THÉRY, Hervé; MELLO, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: EDUSP, 2010.
15. TOLEDO, Maria Cristina Motta de; FAIRCHILD, Thomas Rich; TEIXEIRA, Wilson. (Org.). Decifrando a Terra. São Paulo: IBEP, 2009.

Documentos para Geografia
1. BRASIL, MEC/INEP. ENCCEJA. História e geografia, ciências humanas e suas tecnologias: livro do professor – ensino fundamental e médio. Brasília: MEC/INEP, 2002. Disponível
em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. BRASIL. MEC/SEB. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências Humanas e suas Tecnologias; Geografia. Brasília, MEC/SEB, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. BRASIL. MEC/SEB. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Brasília, MEC/SEB, 1998. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Geografia para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Filosofia
Livros e Artigos para Filosofia
1. ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
2. ARENDT, Hannah. A condição humana. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.
3. ARISTÓTELES. A Política. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
4. CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. 13. ed. São Paulo: Ática, 2003.
5. COMTE-SPONVILLE, André. Apresentação da filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
6. DESCARTES, René. Discurso do Método/Meditações. São Paulo: Martin Claret, 2008.
7. EPICURO. Pensamentos. São Paulo: Martin Claret, 2005. (A Obra-Prima de cada autor).
8. MARCONDES, Danilo. Textos Básicos de ética: de Platão a Foucault. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
9. MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
10. MORTARI, Cezar. Introdução à lógica. São Paulo: UNESP, 2001.
11. PLATÃO. A República. São Paulo: Martin Claret, 2000.
12. RIDENTI, Marcelo; REIS, Daniel Aarão (Org.). História do Marxismo no Brasil: partidos e movimentos após os anos 1960. Campinas: UNICAMP, 2007. v. 6.
13. ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato social. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
14. WEFFORT, Francisco C. (Org.) Os clássicos da política. São Paulo: Ática, 2006. v. 1 e 2.
15. WIGGERSHAUS, Rolf: a Escola de Frankfurt. História, desenvolvimento teórico, significação política. Rio de Janeiro: DIFEL, 2002.

Documentos para Filosofia
1. BRASIL. MEC/SEB. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências Humanas e suas Tecnologias: Filosofia. Brasília, MEC/SEB, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Filosofia para o Ensino Médio. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: e . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Sociologia
Livros e Artigos para Sociologia
1. BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade, Petrópolis: Vozes, 2006.
2. BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: LTC, 1987. cap. 1, 2 e 3.
3. BRYM, Robert, J. et al. Sociologia: uma bússola para um novo mundo. São Paulo: Cengage Learning, 2008.
4. CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
5. CICCO, C.; GONZAGA, Álvaro de A. Teoria Geral do Estado e Ciência Política. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.
6. CUCHE, Dennys. A noção de cultura nas ciências sociais. 2. ed. Bauru: EDUSC, 2002.
7. DAMATTA, Roberto. A Antropologia no quadro das ciências. In: ______. Relativizando: uma introdução à antropologia social. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. p. 17-57.
8. DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
9. GIDDENS, Anthony. Sociologia. Porto Alegre: Artmed, 2008.
10. GOFFMANN, Erving. A representação do Eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 2009.
11. GUIMARÃES, Antonio Sérgio A. Racismo e anti-racismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.
12. LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 23. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
13. MARA, Célia A. dos Santos. Violência escolar: a percepção dos atores escolares e a repercussão no cotidiano da escola. São Paulo: Annablume, 2007.
14. PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla B. (org.) História da Cidadania. São Paulo: Contexto, 2003.
15. SANTOS, Vicente Tavares dos. Violências e conflitualidades. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2009. Documentos para Sociologia
1. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o ensino de Sociologia para o Ensino Médio. São Paulo: SE, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Psicologia
Livros e Artigos para Psicologia
1. AQUINO, Júlio G. (Org.). Erro e fracasso na escola. São Paulo: Summus, 1997.
2. BEAUDOIN, M.-N.; TAYLOR, M. Bullying e desrespeito: como acabar com essa cultura na escola. Porto Alegre: Artmed, 2006.
3. BORUCHOVITCH, Evely; BZUNECK, José A. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, 2004.
4. CASTRO, Maria Helena Guimarães de. Sistemas Nacionais de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.14, n. 1, p.121-128, 2000. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. CHRISPINO, Álvaro. Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 15, n. 54, p. 11-28, jan./mar. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. COLL, César; PALACIOS, J.; MARCHESI, A. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004.
7. HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 14. ed. São Paulo: Loyola, 1992.
8. LA TAILLE, Y. de. Limites: três dimensões educacionais. São Paulo: Ática, 1998.
9. MACHADO, Adriana M.; SOUZA, Marilene P. R. (Org.). Psicologia escolar: em busca de novos rumos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.
10. MEIRIEU, P. O cotidiano da escola e da sala de aula: o fazer e o compreender. Porto Alegre: Artmed, 2005.
11. PIAGET, Jean. A psicologia da criança. Rio de Janeiro: Difel, 1998.
12. RAPPAPORT, Clara Regina; FIORI, Wagner da Rocha; DAVIS, Cláudia. Psicologia do desenvolvimento: teorias do desenvolvimento; conceitos fundamentais. São Paulo: EPU,
2005. 4 v.
13. VYGOTSKY, L.S. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
14. WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.
15. ZABALA, A.; ARNAU, L. Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Documentos para Psicologia
1. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio: documento de apresentação. São Paulo: SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Matrizes de referência para avaliação: documento básico; SARESP. São Paulo: SEE, 2009. p. 7-20. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna – Alemão (CELs)
Respeitadas a singularidade e a especificidade do idioma estrangeiro objeto (alemão), considera-se, para fins de bibliografia básica comum, requeridos para os professores de língua
estrangeira moderna, o item 2.2.1 deste documento.
Livros e Artigos Específicos para Língua Estrangeira Moderna – Alemão (CELs)
1. BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 7. n. 2. p.
109-138, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. CASTRO, S. T. R. “Teoria e prática na reconstrução da concepção de linguagem de professores de línguas”. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, n. 1, v. 2, Belo Horizonte, 2002, p. 83-94. Disponível em . Acesso em: 25 out. 2010.
3. FANDRYCH, C.; TALLOWITZ, U. Klipp und Klar: Übungsgrammatik Grundstufe Deutsch in 99 Schritten. Stuttgart: Ernst Klett, 2008.
4. FREMDSPRACHE Deutsch. Zeitschrift für die Praxis des Deutschunterrichts. Heft 35: Lernen an Stationen. Ismaning: Huber, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. Goethe-Zertifikat B1: Zertifikat Deutsch – Modellsatz. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. Goethe-Zertifikat B2 – Modellsatz. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. Materialien zur Landeskunde. Disponível em: ; ; . Acesso em: 25 out. 2010.
8. Neuner, G. (Ed.). Fit für Fit in Deutsch 1 und 2. Ismaning: Hueber, 2007.
9. Planet. 1, 2. Lehrwerk für Deutsch als Fremdsprache für Jugendliche (Kurs-, Arbeits - und Lehrerhandbuch), Ismaning: Hueber-Verlag, 2007.
10. Reimann, Monika. Grundstufen-Grammatik: Erklärungen und Übungen. Hueber-Verlag, Ismaning, 2005.
11. Rug, W.; Tomaszewski, A. Grammatik mit Sinn und Verstand. Übungsgrammatik Mittel- und Oberstufe. Stuttgart: Ernst Klett, 2008.

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna – Espanhol (CELs)
Respeitadas a singularidade e a especificidade do idioma estrangeiro objeto (espanhol), considera-se, para fins de bibliografia básica geral, requeridos para os professores de língua estrangeira moderna, o item 2.2.1 e 2.2.6 deste documento.

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna – Francês (CELs)
Respeitadas a singularidade e a especificidade do idioma
estrangeiro objeto (francês), considera-se, para fins de bibliografia
básica geral, requeridos para os professores de língua
estrangeira moderna, o item 2.2.1 deste documento.

Livros e Artigos Específicos para Língua Estrangeira Moderna – Francês (CELs)
1. BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 7. n. 2. p. 109-138, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. BEACCO J.-C., L’approche par compétence dans l’enseignement des langues. Paris: Didier, 2008. (Collection Formation).
3. CARLO, C. et al. Acquisition de la grammaire du français langue étrangère. Paris: Didier, 2009. (Collection Formation).
4. CASTRO, S. T. R. “Teoria e prática na reconstrução da concepção de linguagem de professores de línguas”. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, n. 1, v. 2, Belo Horizonte, 2002, p. 83-94. Disponível em . Acesso em: 25 out. 2010.
5. CONSEIL DE L’EUROPE, Cadre européen commun de référence pour l’apprentissage et l’enseignement des langues, Strasbourg: Comité de l’Education; Paris: Didier, 2001.
6. COURTILLON J., Elaborer un cours de FLE. Paris: Hachette, 2003.
7. CUQ J. P.; GRUCA, I. Cours de didactique du FLE et langue seconde. Genoble: PUG, 2002.
8. CYR, P. Les stratégies d’apprentissage. Paris: Clé international, 1998.
9. GERMAIN, C. Evolution de l’enseignement des langues: 5000 ans d’histoire. Paris: Clé international, 1993. (Didactique des langues étrangères).

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna – Inglês (CELs)
Respeitadas a singularidade e a especificidade do idioma estrangeiro objeto (espanhol), considera-se, para fins de bibliografia básica geral, requeridos para os professores de língua estrangeira moderna, o item 2.2.1 e 2.2.5 deste documento.

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna – Italiano (CELs)
Respeitadas a singularidade e a especificidade do idioma estrangeiro objeto (italiano), considera-se, para fins de bibliografia básica geral, requeridos para os professores de língua estrangeira moderna, o item 2.2.1 deste documento.

Livros e Artigos Específicos para Língua Estrangeira Moderna – Italiano (CELs)
1. ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, 2002.
2. BAGNO, Marcos. Pesquisa na escola: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1998.
3. BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 7. n. 2. p. 109-138, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. BASTIANETTO, Patrizia; FULGÊNCIO, Lúcia. Manual de gramática contrastiva para falantes de português. Perugia: Guerra, 1993.
5. CASTRO, S. T. R. “Teoria e prática na reconstrução da concepção de linguagem de professores de línguas”. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, n. 1, v. 2, Belo Horizonte, 2002, p. 83-94. Disponível em . Acesso em: 25 out. 2010.
6. NEVES, Maria Helena de Moura. Que gramática estudar na escola? norma e uso na Língua Portuguesa. São Paulo: Contexto, 2003.
7. SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.
8. SERRANI-INFANTE, S. M. Identidade e segundas línguas: as identificações no discurso. In: SIGNORINI, I. (Org.). Língua(gem) e identidade. Campinas: Mercado de Letras/FAPESP,
1998, p. 231-261.
9. TRIFONE, Pietro; PALERMO, Massimo. Grammatica italiana di base. Bolonha: Zanichelli, 2007.
10. WIDDOWSON, H. D. O ensino de línguas para a comunicação. Campinas: Pontes, 1991.

Bibliografia: Língua Estrangeira Moderna – Japonês (CELs)
Respeitadas a singularidade e a especificidade do idioma estrangeiro objeto (japonês), considera-se, para fins de bibliografia básica geral, requeridos para os professores de língua estrangeira moderna, o item 2.2.1 deste documento.
Livros e Artigos Específicos para Língua Estrangeira Moderna – Japonês (CELs)
1. 3A Network. Minna no Nihongo. [S. l.]: 3A Network, 1999.
2. BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 7. n. 2. p. 109-138, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. BUNKA INSTITUTE OF LANGUAGE. Shin Bunka Shokyû Nihongo. [S. l.]: Bonjinsha, 2000.
4. CASTRO, S. T. R. Teoria e prática na reconstrução da concepção de linguagem de professores de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 83-94, 2002. Disponível em . Acesso em: 25 out. 2010.
5. ENDO, Cristina Maki et. al. 70 perguntas de pessoas que ensinam japonês no Brasil. São Paulo: Aliança Cultural Brasil- Japão, 2009.
6. THE JAPAN FOUNDATION. Japanese Language Proficiency Test: Test content Specifications. Revised Edition. [S. l.]: Bonjinsha, 2002.

PROFESSOR – EDUCAÇÃO ESPECIAL
Respeitadas a singularidade e a especificidade da Educação Especial, considera-se, também, a bibliografia básica geral constante no item 2.2.1 deste documento.

Livros e Artigos Específicos para Educação Especial
Deficiências / Inclusão - Geral
1. BIANCHETTI, L.; FREIRE, I. M. Um Olhar sobre a Diferença. 9. ed. Campinas: Papirus, 2008.
2. CARVALHO, Rosita Edler. Educação Inclusiva com os Pingos nos Is. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.
3. MANTOAN, Maria Teresa Egler. Inclusão Escolar: o que é ? por quê? como fazer? 2. ed. São Paulo: Moderna, 2006.
4. MAZZOTTA, Marcos José da Silveira. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.
5. MITTLER, Peter. Educação Inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.
6. SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2007.
7. STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Tradução de Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed, 1999.MDeficiência Auditiva
8. COLL, César et al. Desenvolvimento Psicológico e Educação: Transtornos de Desenvolvimento e Necessidades Educativas Especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. vol. 3. p. 171-192.
9. GOES, M. C. R. de. Linguagem, Surdez e Educação. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 1999.
10. GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sóciointeracionista. São Paulo: Plexus, 1997.
11. SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005. Deficiência Física
12. COLL, César et al. Desenvolvimento Psicológico e Educação: Transtornos de Desenvolvimento e Necessidades Educativas Especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. vol. 3. p. 215-233.
13. FERLAND, Francine. Modelo lúdico: o brincar, a criança com deficiência física e a terapia ocupacional. 3. ed. São Paulo: Roca, 2006.
14. FINNIE, Nancie R. O Manuseio em casa da Criança com Paralisia Cerebral. 3. ed. Barueri: Manole, 2000.
15. GERALIS, Elaine. Crianças com paralisia cerebral: guia para pais e educadores. Porto Alegre: Armed, 2007.
16. MARTÍN, Miguel Cardona et al. Incapacidade motora: orientações para adaptar a escola. Porto Alegre: Artmed, 2003.
17. REILY, Lucia. Escola inclusiva: linguagem e mediação. 2. ed. Campinas: Papirus, 2006. cap. 1, 35.
18. TEIXEIRA, Erika et al. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. São Paulo: Roca, 2003. cap. 12, 17. Deficiência Mental
19. COLL, César et al. Desenvolvimento Psicológico e Educação: Transtornos de Desenvolvimento e Necessidades Educativas Especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. vol. 3. p. 193-214.
20. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Disponível em: Acesso em: 25 out. 2010.
21. SMITH, Deborah Deutsch. Introdução à Educação Especial: ensinar em tempos de inclusão. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 169-194. Deficiência Visual
22. AMORIN, Célia Maria Araújo de; ALVES, Maria Glicélia. A criança cega vai à escola: preparando para alfabetização. São Paulo: Fundação Dorina Nowill para Cegos, 2008.
23. COLL, César et al. Desenvolvimento Psicológico e Educação: Transtornos de Desenvolvimento e Necessidades Educativas Especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. vol. 3. p. 151-170.
24. LIMA, Eliana Cunha; NASSIF, Maria Christina Martins; FELLIPE, Maria Cristina Godoy Cryuz. Convivendo com a baixa visão: da criança à pessoa idosa. São Paulo: Fundação Dorina
Nowill para Cegos, 2008. Publicações Institucionais para Educação Especial Deficiências / Inclusão - Geral
1. ONU. Convenção sobre os direitos das pessoas com
deficiência. 2006. Ratificada pelo Brasil, através do Decreto Legislativo de 11/06/2008 – Preâmbulo, Art. 1º ao 5º, 7º ao 8º e 24. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
2. ONU. Declaração de Salamanca. 1994. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
3. BRASIL. MEC/SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais: adaptações curriculares; estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, MEC/SEF, 1998. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. BRASIL. MEC/SEESP. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, MEC/SEESP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010. Deficiência Auditiva
5. BRASIL. MEC/SEESP. Atendimento educacional especializado: pessoa com surdez. Brasília: MEC/SEESP, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. BRASIL. MEC/SEESP. Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos. Brasília: MEC/SEESP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Leitura, escrita e surdez. Organização de Maria Cristina da Cunha Pereira. 2. ed. São Paulo: FDE, 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
Deficiência Física
8. BRASIL. MEC/SEESP. Atendimento educacional especializado: deficiência física. Brasília: MEC/SEESP, 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
9. BRASIL. MEC/SEESP. Portal de ajudas técnicas para educação: equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: recursos pedagógicos adaptados. Brasília: MEC/SEESP, 2002. Fascículo 1. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
10. BRASIL. MEC/SEESP. Portal de ajudas técnicas para educação: equipamento e material pedagógico para educação, capacitação e recreação da pessoa com deficiência física: recursos
para comunicação alternativa. Brasília: MEC/SEESP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
11. BRASIL. MEC/SEESP. Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades
educacionais especiais de alunos com deficiência física/
neuromotora. Brasília: MEC/SEESP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
Deficiência Mental
12. BRASIL. MEC/SEESP. Atendimento Educacional Especializado:
Deficiência Mental. Brasília: MEC/SEESP, 2007. Disponível
em: .
Acesso em: 25 out. 2010.
13. BRASIL. MEC/SEESP. Educação Inclusiva: atendimento
educacional especializado para a deficiência mental. Brasília:
MEC/SEESP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
Deficiência Visual
14. BRASIL. MEC/SEESP. Atendimento Educacional Especializado:
Deficiência visual. Brasília: MEC/SEESP, 2007. Disponível
em: .
Acesso em: 25 out. 2010.
15. BRASIL. MEC/SEESP. A construção do conceito de
número e o pré-soroban. Brasília: MEC/SEESP, 2006. Disponível
em: . Acesso em: 25 out. 2010.
16. BRASIL. MEC/SEESP. Grafia Braille para a Língua Portuguesa.
Brasília: MEC/SEESP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25
out. 2010.
17. BRASIL. MEC/SEESP. Orientação e Mobilidade: conhecimentos
básicos para a inclusão da pessoa com deficiência
visual. Brasília: MEC/SEESP, 2003. Disponível em: . Acesso em: 25
out. 2010.
Legislação para Educação Especial
Federal
1. LEI N.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece
as diretrizes e bases da educação nacional. Art. 4º, Inc. III, Art.
58, Par 1º a 3º, Art. 59, Art. 60. Disponível em: . Acesso em:
25 out. 2010.
Estadual
2. DELIBERAÇÃO CEE N.º 68/2007. Fixa normas para a
educação de alunos que apresentam necessidades educacionais
especiais, no sistema estadual de ensino. Disponível em: . Acesso em:
25 out. 2010.
3. RESOLUÇÃO SE N.º 11/2008, de 31 de janeiro de 2008.
Dispõe sobre a educação escolar de alunos com necessidades
educacionais especiais nas escolas da rede estadual de ensino e
dá providências correlatas. Disponível em: . Acesso em: 25 out.
2010.
4. RESOLUÇÃO SE N.º 31/2008, de 24 de março de 2008.
Altera dispositivo da Resolução nº 11, de 31 de janeiro 2008.
Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
PROFESSOR – EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA
Publicações Institucionais para Educação Escolar Indígena
1. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação
Continuada, Alfabetização e Diversidade. Referencial Curricular
Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SEEC, 2005.
2. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação; UNIVERSIDADE
DE SÃO PAULO. Faculdade de Educação. Formação Magistério
Indígena: um caminho do meio; da proposta à interação.
São Paulo: SE, 2003
3. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Um caminho
para a Educação Escolar Indígena: da teoria à prática; livro
1. São Paulo: SE, 2010.
4. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Um caminho
para a Educação Escolar Indígena: pensando a sala de aula;
livro 2. São Paulo: SE, 2010.
5. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Um caminho
para a Educação Escolar Indígena: histórias de aula; livro 3.
São Paulo: SE, 2010.
6. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação; UNIVERSIDADE
DE SÃO PAULO. Faculdade de Educação. Educação escolar
em contexto bilíngue intercultural: línguas Indígenas e língua
portuguesa; guarani, kaingang, krenak, terena e tupi-guarani.
São Paulo: SE, FEUSP, 2010.
DIRETOR DE ESCOLA
Livros e Artigos para Diretor de Escola
1. ABRANCHES, M. Colegiado escolar: espaço de participação
da comunidade. São Paulo: Cortez, 2003.
2. ALARCÃO, I. Professores Reflexivos em uma Escola reflexiva.
7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
3. AZANHA, J. M. Autonomia da escola, um reexame. São
Paulo: FDE, 1993. p. 37-46. (Idéias, 16). Disponível em: .
Acesso em: 25 out. 2010.
4. CANDAU, V. M. Direitos humanos, violência e cotidiano
escolar. In: CANDAU, V. M. (Org.) Reinventar a escola. 5. ed.
Petrópolis: Vozes, 2007. p. 137-166.
5. CARVALHO, M. C. S.; SILVA, A. C. B. Progestão: como
construir e desenvolver os princípios de convivência democrática
na escola? - módulo V. Brasília: CONSED, 2001.
6. CASTRO, Maria Helena Guimarães de. Sistemas Nacionais
de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em
Perspectiva. v.14, n1. São Paulo, 2000.p.121-128. . Disponível
em: . Acesso
em: 25 out. 2010.
7. CHRISPINO A.; CHRISPINO, R. S. P. Políticas educacionais
de redução da violência: mediação do conflito escolar. São Paulo:
Biruta, 2002.
8. DOURADO, L. F.; DUARTE, M. R. T. Progestão: como promover,
articular e envolver a ação das pessoas no processo de
gestão escolar? - módulo II. Brasília: CONSED, 2001.
9. EDUCAR PARA CRESCER. Por dentro do IDEB: o que é o
Índice de Desenvolv. da Educação Básica? Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
10. FULLAN, M. O Significado da Mudança Educacional.
Porto Alegre: Artmed, 2009.
11. LA TAILLE, Y. de. A indisciplina e o sentimento de vergonha.
In: AQUINO, Júlio Groppa (Org.). Indisciplina na escola:
alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996. p.
9-23.
12. LÜCK, Heloisa (ET ALL). A escola participativa: o trabalho
do gestor escolar. 6. ed. Rio de Janeiro. DP&A, 2010.
13. MARÇAL, J. C.; SOUSA, J. V. de. Progestão: como promover
a construção coletiva do projeto pedagógico da escola?
- módulo III. Brasília: CONSED, 2001.
14. MARTINS A. M. O contexto escolar e a dinâmica de
órgãos colegiados: uma contribuição ao debate sobre gestão
de escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.16,
n.59, p. 195-206, abr./jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 25
out. 2010.
15. PENIN, S. T. S.; VIEIRA, S. L. Progestão: como articular a
função social da escola com as especificidades e as demandas
da comunidade? - módulo I. Brasília: CONSED, 2001.
16. SZIMANSKI, H. A relação família/escola: desafios e perspectivas.
2. ed. Brasília: Plano, 2010.
17. TRIGO J. R.; COSTA J. A. Liderança nas organizações
educativas: direcção por valores. Ensaio: aval. pol. públ. Educ.,
Rio de Janeiro, v.16, n.61, p. 561-582, out./dez. 2008. Disponível
em: .
Acesso em: 25 out. 2010.
18. VEIGA, Ilma Passos (Org.). Projeto Político-Pedagógico
da Escola: uma construção possível. 23. ed. Campinas, SP:
Papirus, 2007.
Publicações Institucionais para Diretor de Escola
1. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão
do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2008.
Volumes 1, 2 e 3.
2. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do
Currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2009.
Volume 1.
3. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Matrizes
de referência para avaliação: documento básico – SARESP. São
Paulo: SEE, 2009. p. 7-20. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Programa
de qualidade da escola: nota técnica. São Paulo: SE, 2009.
Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Proposta
Curricular do Estado de São Paulo para o Ensino Fundamental
Ciclo II e Ensino Médio: documento de apresentação. São Paulo:
SE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
6. UNESCO. Padrões de competência em TIC para professores:
diretrizes de implementação, versão 1.0. Paris,
2009. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. UNESCO. Padrões de competência em TIC para professores:
marco político. Paris, 2009. Disponível em: . Acesso em:
25 out. 2010.
8. UNESCO. Padrões de competência em TIC para professores:
módulos de padrão e competência. Paris, 2009. Disponível em:
. Acesso em: 25 out. 2010.
Legislação para Diretor de Escola
Federal
1. LEI FEDERAL Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996
- Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional - (Alterada
pelas Leis nºs 9.475/97; 10.287/01; 10.328/01; 10.639/03;
10.709/03; 10.793/03; 11.114/05; 11.183/05; 11.274/06;
11.301/06; 11.330/06; 11.331/06; 11.525/07; 11.632/07;
11.645/08; 11.684/08; 11.700/08; 11.741/08; 11.769/08;
11.788/08; 12.013/09; 12.014/09; 12.020/09; 12.056/09 e
12.061/09).
2. PARECER CNE/CEB nº 4/98 e Resolução CNE/CEB nº
2/98 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino
Fundamental.
3. PARECER CNE/CEB nº 15/98 Resolução CNE/CEB nº 3/98 -
Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.
4. PARECER CNE/CEB nº 11/00 e Resolução CNE/CEB nº 1/00
- Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de
Jovens e Adultos.
5. PARECER CNE/CEB nº 17/01 e Resolução CNE/CEB nº
2/01 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Especial.
6. PARECER CNE/CP nº 3/04 e Resolução CNE/CP nº1/04 -
Institui as diretrizes curriculares nacionais para a Educação das
relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-Brasileira e Africana.
Estadual
7. LEI COMPLEMENTAR Nº 1.078, de 17 de dezembro de
2008 - Institui Bonificação por Resultados – BR, no âmbito da
Secretaria da Educação, e dá providências correlatas.
8. LEI COMPLEMENTAR Nº 1.097, de 27 de outubro de
2009 - Institui o Sistema de Promoção para os integrantes do
Quadro do Magistério na Secretaria da Educação e dá outras
providências.
9. DECRETO Nº 55.078, de 25 de novembro de 2009 -
Dispõe sobre as jornadas de trabalho do pessoal docente do
Quadro do Magistério e dá providências correlatas.
10. DELIBERAÇÃO CEE nº 9/97 e Indicação CEE nº 8/97 -
Institui, no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, o Regime
de Progressão Continuada no Ensino Fundamental.
11. DELIBERAÇÃO CEE nº 82/09 e Indicação CEE nº 82/09
- Estabelece diretrizes para os Cursos de Educação de Jovens e
Adultos em nível do Ensino Fundamental e Médio, instalados ou
autorizados pelo Poder Público no Sistema de Ensino do Estado
de são Paulo.
12. PARECER CEE nº 67/1998 - Normas Regimentais Básicas
para as Escolas Estaduais.
13. COMUNICADO SE publicado em 21 de dezembro
de 2007 - Orientações para implantação do Programa Ler e
Escrever.
SUPERVISOR DE ENSINO
Livros e Artigos para Supervisor de Ensino
1. ALARCÃO, Isabel. Do olhar supervisor ao olhar da supervisão.
In: RANGEL, Mary (Org.). Supervisão pedagógica: princípios
e práticas. 8. ed. São Paulo: Papirus, 2008. p. 11-55.
2. BELLONI, Isaura; FERNANDES, Maria Estrela Araujo. Progestão:
como desenvolver a avaliação institucional da escola?
- módulo IX. Brasília: CONSED, 2001.
3. CARVALHO, Maria do Carmo Brandt de et al. Avaliação
em educação: o que a escola pode fazer para melhorar seus
resultados? Cadernos Cenpec, São Paulo, n. 3, 2007.
4. CASTRO, Maria Helena Guimarães de. Sistemas Nacionais
de Avaliação e de Informações Educacionais. São Paulo em Perspectiva,
São Paulo, v.14, n. 1, p.121-128, 2000.
5. CURY, C. R. J.; HORTA, J. S. B.; BRITO, V. L. A. (Org.). Medo
à liberdade e compromisso democrático: LDB e Plano Nacional
de Educação. São Paulo: Editora do Brasil, 1997.
6. DELORS, Jacques et al. Educação: um tesouro a descobrir.
Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. DOURADO, Luiz Fernandes; DUARTE, Marisa Ribeiro
Teixeira. Progestão: como promover, articular e envolver a ação
das pessoas no processo de gestão escolar? - módulo II. Brasília:
CONSED, 2001.
8. EDUCAR PARA CRESCER. Por dentro do IDEB: o que é o
Índice de Desenvolv. da Educação Básica? Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
9. FERREIRA, Naura Syria Carapetto; AGUIAR, Márcia Angela
da S. (Org.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e
compromissos. São Paulo: Cortez, 2008.
10. FORTUNATI. J. Gestão da educação pública: caminhos e
desafios. Porto Alegre: Artmed, 2007.

11. FREITAS, Katia Siqueira; SOUZA, José Vieira de Sousa.
Progestão: como articular a gestão pedagógica da escola com as
políticas públicas da educação para a melhoria do desempenho
escolar? – módulo X. Brasília: CONSED, 2009.
12. GATTI, Bernadete (Coord.). Professores do Brasil: impasses
e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. Disponível em: .
Acesso em: 25 out. 2010.
13. OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Avaliação da
aprendizagem e progressão continuada; bases para a construção
de uma Nova Escola. Disponível em: . Acesso em: 25 out.
2010.
14. SACRISTÁN, J. G.; GOMES, A. I. P. Compreender e transformar
o ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998.
15. SOUSA, José Vieira; MARÇAL, Juliane Corrêa. Progestão:
como promover a construção coletiva do projeto pedagógico da
escola? – módulo III. Brasília: CONSED, 2001.
16. SPYER, Juliano (Org.) para entender a Internet: noções,
práticas e desafios da comunicação em rede. Disponível em:
. Acesso em: 25 out. 2010.
17. VELOSO, F. et al (Org.). Educação básica no Brasil: construindo
o país do futuro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.
18. ZABALA, Antoni. Enfoque globalizador e pensamento
complexo: uma proposta para o currículo escolar. Porto Alegre:
Artmed, 2002. Cap. 1 a 3, p. 11-136.
Publicações Institucionais para Supervisor de Ensino
1. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão
do currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2008.
Volumes 1, 2 e 3.
2. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Gestão do
Currículo na escola: Caderno do Gestor. São Paulo: SE, 2009.
Volume 1.
3. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Matrizes
de referência para avaliação: documento básico – SARESP. São
Paulo: SEE, 2009. p. 7-20. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
4. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Programa
de qualidade da escola: nota técnica. São Paulo: SE, 2009.
Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
5. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Proposta
Curricular do Estado de São Paulo para o Ensino Fundamental
Ciclo II e Ensino Médio: documento de apresentação. São Paulo:
SE, 2008.
6. UNESCO. Padrões de competência em TIC para professores:
diretrizes de implementação, versão 1.0. Paris,
2009. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2010.
7. UNESCO. Padrões de competência em TIC para professores:
marco político. Paris, 2009. Disponível em: . Acesso em:
25 out. 2010.
8. UNESCO. Padrões de competência em TIC para professores:
módulos de padrão e competência. Paris, 2009. Disponível em:
. Acesso em: 25 out. 2010.
Legislação para Supervisor de Ensino
Federal
1. LEI FEDERAL Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996
- Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional - (Alterada
pelas Leis nºs 9.475/97; 10.287/01; 10.328/01; 10.639/03;
10.709/03; 10.793/03; 11.114/05; 11.183/05; 11.274/06;
11.301/06; 11.330/06; 11.331/06; 11.525/07; 11.632/07;
11.645/08; 11.684/08; 11.700/08; 11.741/08; 11.769/08;
11.788/08; 12.013/09; 12.014/09; 12.020/09; 12.056/09 e
12.061/09).
2. PARECER CNE/CEB Nº 17/97 - Diretrizes operacionais
para a educação profissional em nível nacional - (Vide Decreto
nº 5.154/04 que revogou o Decreto nº 2.208/97, referido neste
parecer).
3. PARECER CNE/CEB nº 4/98 e Resolução CNE/CEB nº
2/98 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino
Fundamental.
4. PARECER CNE/CEB nº 15/98 Resolução CNE/CEB nº 3/98 -
Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.
5. PARECER CNE/CEB nº 22/98 e Resolução CNE/CEB nº
1/99 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Infantil.
6. PARECER CNE/CEB nº 14/99 e Resolução CNE/CEB nº
3/99 - Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Indígena.
7. PARECER CNE/CEB nº 16/99 e Resolução CNE/CEB nº 4/99
- Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Profissional de Nível Técnico.
8. PARECER CNE/CEB nº 11/00 e Resolução CNE/CEB nº 1/00
- Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de
Jovens e Adultos.
9. PARECER CNE/CEB nº 17/01 e Resolução CNE/CEB nº
2/01 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Especial.
10. PARECER CNE/CP nº 3/04 e Resolução CNE/CP nº1/04 -
Institui as diretrizes curriculares nacionais para a Educação das
relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-Brasileira e Africana.
Estadual
11. LEI COMPLEMENTAR Nº 1.078, de 17 de dezembro de
2008 - Institui Bonificação por Resultados – BR, no âmbito da
Secretaria da Educação, e dá providências correlatas.
12. LEI COMPLEMENTAR Nº 1.097, de 27 de outubro de
2009 - Institui o Sistema de Promoção para os integrantes do
Quadro do Magistério na Secretaria da Educação e dá outras
providências.
13. DECRETO Nº 55.078, de 25 de novembro de 2009 -
Dispõe sobre as jornadas de trabalho do pessoal docente do
Quadro do Magistério e dá providências correlatas.
14. DELIBERAÇÃO CEE nº 9/97 e Indicação CEE nº 8/97 -
Institui, no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, o Regime
de Progressão Continuada no Ensino Fundamental.
15. DELIBERAÇÃO CEE nº 10/97 e Indicação CEE nº 9/97
- Fixa normas para elaboração do Regimento dos Estabelecimentos
de Ensino Fundamental e Médio.
16. DELIBERAÇÃO CEE nº 82/09 e Indicação CEE nº 82/09
- Estabelece diretrizes para os Cursos de Educação de Jovens e
Adultos em nível do Ensino Fundamental e Médio, instalados ou
autorizados pelo Poder Público no Sistema de Ensino do Estado
de são Paulo.
17. PARECER CEE nº 67/1998 - Normas Regimentais Básicas
para as Escolas Estaduais.
18. COMUNICADO SE publicado em 21 de dezembro
de 2007 - Orientações para implantação do Programa Ler e
Escrever.
(1) Cf. “Diretrizes curriculares aos cursos de graduação em
Filosofia”, Secretaria de Ensino Superior/MEC-SESU, Comissão
de Especialistas de Ensino de Filosofia (N. G. Gomes, O. Giacóia
Jr. A. L. M. Valls), Brasília, 1998. (Grifos nossos).

Retirado do Diário Oficial do Estado de  São Paulo -  Poder Executivo - Seção I -  quarta-feira, 27 de outubro de 2010 - páginas 33  a 36. 

Hora extra para professores

Professores que querem fazer hora extra podem se informar aqui. Na rede pública de ensino, para cada estado e cada município há uma nomenc...